Afeganistão revela plano para assumir segurança do país

O governo do Afeganistão informou hoje que as forças de segurança do país tomarão o controle de áreas como a capital da província de Helmand, Lashkar Gah, atualmente protegidas pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). A troca de controle deve ocorrer até setembro. A previsão é que todas as tropas estrangeiras deixem o país até o fim de 2014.

AE, Agência Estado

22 de março de 2011 | 12h48

O Afeganistão terá "responsabilidade total pela segurança" de maior parte da província de Cabul, incluindo a capital provincial, de mesmo nome e também capital do país, e de Lashkar Gah, capital da instável província de Helmand, no sul afegão, disse o presidente Hamid Karzai hoje. O país também assumirá as responsabilidades de segurança nas províncias Panjshir e Bamiyan, na maior parte da cidade de Herat, em Mazar-i-Sharif, capital da província de Balkh, e em Mehtarlam, capital da província de Laghman, segundo Karzai.

"O Afeganistão não quer que outros sejam responsáveis por sua segurança e defesa", disse o presidente a graduados militares e policiais. O cronograma para a retirada estrangeira foi fechado entre o governo local e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e seus aliados.

"Este ano é um marco no processo da construção do governo e da paz", notou Karzai. "Este é o ano de assumir mais responsabilidade", acrescentou, falando no segundo dia do novo ano afegão. O presidente pediu novamente para que a oposição armada pare seus ataques e una-se ao processo de paz, "de outro modo eles serão responsáveis pela presença continuada de estrangeiros (no país)".

O anúncio de Karzai ocorre após os países aliados que enviam tropas ao país concordarem, no ano passado, em começar a se retirar das áreas sob seu controle. Com isso, as tropas ocidentais teriam um papel mais de apoio às forças locais. Porém, com a insurgência ainda atacando, há dúvidas sobre se as forças de segurança locais podem assumir essa responsabilidade. Os líderes militares afegãos reclamam da falta de recursos. Alguns analistas citam a corrupção e os baixos índices de retenção dos suspeitos como problemas.

Obama disse esperar que as tropas norte-americanas comecem a deixar o Afeganistão em julho, em um momento em que cai o apoio popular à guerra afegã nos EUA. O ano passado foi o mais violento para as tropas internacionais desde o início do conflito, em 2001, com mais de 700 mortes de soldados estrangeiros. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.