Omar Sobhani/Reuters
Omar Sobhani/Reuters

Afeganistão saúda fala de Obama sobre retirada de tropas

Governo diz que suas forças estão prontas para assumir a responsabilidade pela segurança do país

AE, Agência Estado

13 de fevereiro de 2013 | 10h53

CABUL - O governo afegão saudou a decisão do presidente Barack Obama de retirar metade dos 66 mil soldados norte-americanos que estão no Afeganistão no próximo ano, afirmando que as forças do Afeganistão estão prontas para assumir a responsabilidade pela segurança do país.

O presidente Hamid Karzai tem feito pressão para que haja um aumento do ritmo da retirada de tropas estrangeiras do país e concordou com a decisão de Obama, tomada no mês passado, de acelerar a transferência de responsabilidades de segurança para as novas forças de segurança afegãs nesta primavera (no hemisfério norte), em vez de no final do verão, como previsto anteriormente.

"Estamos prontos para preencher o vácuo e estamos prontos para assumir a responsabilidade total pela segurança em 2013", disse o porta-voz do Ministério da Defesa, Mohammad Zahir Azimi, à Associated Press.

Muitos afegãos, porém, temem que uma rápida retirada desestabilize o país, que continua a lutar contra insurgentes mais de 11 anos após a invasão norte-americana. Eles temem também que os cerca de 350 mil militares e policiais ainda não estejam prontos para cuidar da segurança do país.

Embora o anúncio fosse bastante esperado, foi a primeira vez que foram divulgados números para o plano de retirada.

"Eu ouvi as notícias sobre a retirada nesta manhã e fiquei muito triste. Isso é uma informação ruim para mim", disse Mohammad Naim, de 45 anos, dono de um restaurante em Cabul. "A presença de soldados norte-americanos elevou o moral do povo afegão, o país está estável. Eu não acredito que as forças afegãs possam manter a segurança. Podemos ver que ainda há confrontos nas províncias", afirmou ele.

Obama disse na noite de terça-feira, durante seu discurso, que os primeiros 34 mil homens deixarão o Afeganistão no prazo de um ano e os demais em 2014, quando todas as tropas de combate deixarão o país.

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) tem cerca de 100 mil militares no Afeganistão, dentre eles 66 mil norte-americanos. A expectativa é de que muitos países também acelerem a retirada de suas próprias tropas. O Reino Unido, que tem 9 mil soldados no país, deve reduzir o número para 5.200 até o final do ano.

Antes de fazer o anúncio, Obama falou com Karzai por meio de uma videoconferência. Segundo o escritório de Karzai, os dois líderes discutiram um acordo de segurança, ainda pendente, o fortalecimento e equipamento das forças afegãs e a retirada das forças norte-americanas.

O porta-voz do Taleban, Zabiullah Mujahid, também saudou a retiradas, mas disse que isso não é suficiente. A coalizão, disse ele, deve sair imediatamente do pais.

"Os governos ocidentais devem compreender que sua guerra infundada no Afeganistão não traz benefícios a eles", declarou Mujahid em comunicado.

"Milhares de seus soldados morreram, sofreram mutilações ou enfrentam problemas psicológicos. Os bilhões de dólares que eles gastam afetam suas economias. Seus povos enfrentam a pobreza e outros problemas. Agora é hora de os Estados Unidos e todos os demais países encerrarem esta guerra sem sentido no Afeganistão e retirar sua tropas."

As informações são da Associates Press

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUAretirada de tropas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.