AP Photo/Dusan Vranic
AP Photo/Dusan Vranic

Afeganistão se tornará ‘cemitério’ para EUA se tropas permanecerem no país, ameaçam os taleban

Porta-voz do grupo no país afirmou que ‘não havia nada novo no discurso’ de Donald Trump e ressaltou que ele foi ‘pouco claro’; Otan e presidente afegão elogiaram decisão do líder americano

O Estado de S.Paulo

22 Agosto 2017 | 08h07

CABUL - O Afeganistão se transformará em um "cemitério" para os EUA caso não retirem suas tropas rapidamente, ameaçaram os taleban após o discurso do presidente americano, Donald Trump, que abre caminho para o envio de mais tropas ao país.

"Se os EUA não retirarem suas tropas, o Afeganistão se tornará em breve um cemitério para esta superpotência do século 21", afirmou Zabiullah Mujahid, porta-voz dos taleban no Afeganistão, em um comunicado. "Os governantes americanos devem saber disso."

Em uma primeira reação, eles criticaram a estratégia apresentada por Trump. "Não havia nada novo no discurso e foi pouco claro", disse Mujahid.

Um alto comandante dos taleban disse que Trump se limita a perpetuar a "conduta arrogante" dos presidentes americanos anteriores, como George W. Bush. "Simplesmente estão desperdiçando soldados americanos. Sabemos como defender o nosso país" e a nova estratégia "não vai mudar nada".

Apoio

A Otan não permitirá que o Afeganistão se transforme em um "refúgio para terroristas", afirmou nesta terça-feira, 22, o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg, que elogiou a decisão de Trump de enviar mais tropas ao país.

"Nosso objetivo é garantir que o Afeganistão não se transforme novamente em um refúgio para terroristas que atacariam nossos próprios países", afirmou Stoltenberg em um comunicado.

O presidente afegão, Ashraf Ghani, também elogiou o líder republicano e o "compromisso duradouro" dos EUA no Afeganistão. A decisão de renunciar a uma retirada rápida "mostra um compromisso duradouro deste sócio fundador neste conflito internacional", afirmou a presidência afegã em uma nota divulgada nas redes sociais.

"A aliança entre EUA e Afeganistão está mais forte do que nunca no objetivo de acabar com a ameaça do terrorismo. O fortalecimento de nossas tropas deveria mostrar aos taleban e aos outros que eles não conseguirão uma vitória militar", indicou Ghani. "A paz segue sendo nossa grande prioridade." / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.