Afeganistão volta a ser eldorado dos jihadistas

Depois dos reveses sofridos pela Al-Qaeda no Iraque, o Afeganistão está se tornando o destino preferido de radicais, particularmente os de nações árabes que buscam lançar uma jihad (guerra santa) contra o Ocidente. "A percepção de muitos sites da Al-Qaeda é que o Afeganistão é conquistável, ao contrário da guerra no Iraque, que não é mais vista como uma coisa garantida", diz Brian Glyn Williams, Universidade de Massachusetts.O número total de árabes lutando no Afeganistão é calculado entre 1 mil e 1,5 mil. Segundo Williams, eles introduziram táticas nefastas como atentados suicidas. "O Afeganistão pode ter sido esquecido pelo Ocidente, mas não pela Al-Qaeda", diz. Nicole Stracke, do Centro de Pesquisas do Golfo, baseado em Dubai, diz que há relação entre a redução de ataques no Iraque e o aumento no Afeganistão: "Nos últimos seis meses, boa parte dos combatentes da Al-Qaeda no Iraque foi morta, principalmente os que recrutam e planejam operações." Por isso, segundo ela, os novos recrutas preferem ir para o Afeganistão. O aumento de combatentes estrangeiros é visível. "Na semana passada, prendemos um grupo e não havia um único afegão entre eles", diz um porta-voz da Otan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.