Afegão seqüestrado com italiano está morto, diz Taleban

Um porta-voz Taleban anunciou neste domingo, 8, que o jornalista afegão Ajmal Nawshbandi, capturado em março no sul do Afeganistão junto com o repórter italiano Daniele Mastrogiacomo, foi morto depois que o governo de Cabul se negou a libertar comandantes do grupo Taleban.Segundo Shahbuddin Atal, porta-voz Taleban, em declaração feita pela televisão privada Tolo TV, o jornalista foi decapitado pelos homens que o capturaram no distrito de Garmsir, na região da província de Helmand. De acordo com o porta-voz, o corpo de Nawshbandi encontra-se no distrito de Hazarjuft.Até a tarde deste domingo, nenhuma fonte oficial confirmou as afirmações do porta-voz Taleban, enquanto o porta-voz do Ministério do Interior, Zemarai Bashary, se limitou a afirmar que o governo "não tem provas" sobre o assassinato. Nawshbandi foi seqüestrado no dia 4 de março, junto com Mastrogiacomo, a quem servia como intérprete, e um condutor afegão na província de Helmand. O condutor, Sayed Agha, foi acusado de espionagem e assassinato a poucos dias, enquanto o jornalista italiano foi liberado no dia 19 de março, depois que o governo afegão liberou cinco prisioneiros do Taleban.Depois da libertação de Mastrogiacomo, os seqüestradores mostraram-se dispostos a "seguir negociando" com as autoridades de Cabul para que o repórter afegão fosse libertado.Na última quinta-feira, o presidente afegão, Hamid Karzai, admitiu oficialmente a liberação dos cinco membros do Taleban em troca do jornalista italiano, mas assegurou que foi "um caso extraordinário" que não vai se repetir.Karzai insistiu que o caso de Mastragiacomo foi "muito peculiar" e afirmou que não terão mais casos de troca de prisioneiros por seqüestrados "em nenhum caso nem com ninguém."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.