Wakil Kohsar/AFP
Wakil Kohsar/AFP

Afegãos falam sobre sua nova realidade: ‘Quem experimentou a liberdade não pode viver sob o Taleban’

Em Cabul, ruas estão vazias e escolas e estabelecimentos, fechados; moradores da cidade relatam sensação de insegurança

Thaís Ferraz, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2021 | 20h02

Trancados dentro de casa desde quando o Taleban tomou Cabul, consolidando seu poder sob o Afeganistão, afegãos relatam sentimentos de descrença, insegurança e inquietação. “Nós não sabemos o que está acontecendo na cidade, no país. Nós não sabemos quem está no poder”, conta Mati Khan, de 23 anos, morador da capital. "Estamos desapontados e confusos. Todos estão preocupados com o futuro", afirma Jamshid Roshangar, estudante de economia na Universidade de Cabul. 

Pouco se sabe, até o momento, sobre como o Taleban governará o país. Em uma tentativa de se distanciar de sua própria história – o grupo esteve no poder entre 1996 e 2001 e comandou o país sob uma rígida interpretação da sharia, a lei islâmica –  um porta-voz disse à agência Reuters que mulheres poderão sair de casa sozinhas e terão acesso à educação e ao trabalho. Outras declarações, no entanto, indicam que o regime não será moderado: porta-vozes falaram em uso obrigatório de hijab e niqab e volta de punições como chicotadas, apedrejamentos e mutilações.  “Aqueles que experimentaram a liberdade durante as duas últimas décadas não podem viver sob o governo do Taleban”, afirmou Roshangar ao Estadão.

Confira os depoimentos:

Jamshid Roshangar

Não esperava que o Taleban viesse agora. Mas eles vieram.

Milhões de afegãos, eu também, estão desapontados e confusos. Nem sei o que devo fazer. É tão horrível ver o Taleban destruindo seu condado. Um país onde todas as meninas, mulheres, meninos e homens trabalharam juntos e criaram valores. E agora você os vê destruídos pelo Taleban. Um grupo terrorista responsável por milhares de mortes de inocentes.

Antes do Taleban conseguir o controle de algumas metrópoles como Kandahar e Herat, eu achei que o avanço era só uma ameaça para forçar (o então presidente) Ashraf Ghani a renunciar. Mas agora sei que não.

Na verdade, acho que as forças de segurança não lutaram contra o Taleban. Acredito que as forças de segurança afegãs poderiam defender o país, mas os políticos não permitiram que lutassem. A situação era tão complicada. Havia algumas mãos invisíveis nos bastidores. Não sei que país fez isso. Mas eles têm interesses políticos e econômicos no Afeganistão e estão conseguindo-os iniciando uma guerra, que é a pior coisa para os seres humanos.

Quando o Taleban se aproximou de Cabul, isso me fez pensar: 'ah, não, eles estão falando sério e assumirão o controle do Afeganistão.'

Todos estão preocupados com seu futuro. Os alunos estão preocupados porque não serão capazes de completar seus estudos. É decepcionante. Eles estão preocupados em não conseguirem realizar seus sonhos. Meninas, mulheres, homens e meninos estão todos preocupados em não ter liberdade de expressão e protestar.

O medo tomou conta de toda a cidade. Todas as pessoas estão decepcionadas.

Todo mundo está falando sobre o Taleban, sobre as pessoas inocentes que o Taleban matou, sobre impedir que meninas frequentem universidades e escolas. Ainda ontem, uma menina de 9 ou 10 anos me perguntou: O Taleban está vindo? Não podemos mais ir para a escola? Eu estava prestes a chorar naquele momento. Choro agora pelas meninas e mulheres que têm sonhos que serão destruídos com a chegada do Taleban.

Hoje os mercados, restaurantes e lojas estão fechados. Tudo é muito caro e até algumas famílias não têm dinheiro para comprar pão para a noite. É tão triste. Escolas e universidades estão fechadas e ninguém pode ir por causa do medo.

Quando converso com minhas colegas mulheres, todas estão frustradas, com medo, com medo de não conseguir continuar os estudos, realizar seus sonhos. Fico frustrado quando ouço o que elas estão dizendo. Eu sinto muito. Lamento e pergunto a mim mesmo onde o mundo chegou e com que estamos lidando.

Aqueles que experimentaram a liberdade durante as duas últimas décadas não podem viver sob o governo do Taleban.

Este foi meu último semestre na Universidade de Cabul. Não sei o que devo fazer. Se eu sair do país, o que acontece com meus quatro anos de estudos universitários? Até agora eu não consegui decidir o que fazer.

Mati Khan

Antes do Taleban chegar, a situação já estava terrível. Nós não sabíamos o que ia acontecer, o que veríamos, essas coisas vinham às nossas mentes, então foi um momento terrível.

No começo, havia esperança de que alguém poderia parar a ofensiva. Antes do Taleban chegar, nós líamos nos jornais, em postagens no Facebook, que nada iria acontecer. Mas não foi assim. Tudo veio. É um momento inacreditável, você sabe.

No momento, todas as pessoas estão dentro de suas casas, porque elas estão preocupadas com as coisas que irão acontecer. Na verdade, eu não me sinto seguro. Não é o governo ou o Taleban...nós não sabemos o que está acontecendo na cidade, no país. Nós não sabemos quem está governando oficialmente. Nós não sabemos quem está no poder.

Eu vi pessoas correndo hoje para ir ao aeroporto, para pegar um avião, para fugir...estão apenas tentando deixar o país. As pessoas que têm dinheiro, estão deixando o país. As pessoas que moram na rua, as pessoas pobres, estão presas aqui. Elas não conseguirão sair, não têm nem passaportes.

Até agora, não vimos nada de ajuda dos EUA ou de outros países para tirar as pessoas daqui. Eles estão postando em redes sociais que algumas pessoas têm permissão para tirar vistos (emergenciais), pessoas que trabalharam para eles, como tradutores, por exemplo. Mas não vi nada sobre ajuda (para pessoa comuns) para tirar vistos e ir para outro país.

Eu não sei o que vai acontecer com o país agora. Eu quero alguém que possa trazer paz, conhecimento, democracia. Se alguém tomar o controle, nós queremos que sejam pessoas que possam trazer paz para nós. Seja o Taleban, seja o governo. Não é só o meu desejo, é o desejo de todo mundo. Porque tem sido muito tempo, 4, 5 anos, que as pessoas estão lutando, em má situação. Todo mundo perdeu as esperanças.

Nós escutamos que o Taleban deixará que garotos e garotas tenham conhecimento, que as pessoas poderão trabalhar, mas nós não sabemos o que pode acontecer. 

Meus amigos, quando falo com eles, todos querem deixar o país. Estão apenas olhando por um futuro melhor. Eles estão todos preocupados com suas vidas, com o que vai acontecer, porque nós não sabemos. Eles estão falando em deixar o país porque perderam a esperança aqui. Eu também perdi. Antes e agora.

Como eu disse antes, se alguém tomar o poder, nós só queremos paz. Nós só queremos nossa educação, nossos negócios, ter bons relacionamentos com outros países, com nossos vizinhos. Nós queremos que o Afeganistão seja bom no mundo, sem terrorismo, sem bombas. Nós só queremos paz, nós só queremos nossa democracia, que não está aqui no momento.

Ontem disseram que ladrões vieram para os nossos bairros, pegaram tudo das pessoas, é realmente ruim. Quando não há governo, coisas assim acontecem. E a noite passada foi terrível, eu me senti realmente inseguro aqui. Eu me perguntava: o que vai acontecer com nossos amigos, com nossa família, com nossos vizinhos, com nosso país? 

Tudo o que sabemos sobre:
TalebanAfeganistão [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.