Andrew Brownbill/AP
Andrew Brownbill/AP

Afegãos terão controle da segurança do país em 2014, dizem EUA

Americanos planejam iniciar retirada de tropas no ano que vem e iniciar transição

Associated Press

08 de novembro de 2010 | 12h32

MELBOURNE - Os chefes militares dos EUA disseram nesta segunda-feira, 8, que o governo do Afeganistão estará apto para garantir a segurança do país em 2014.

 

O secretário de Defesa americano, Robert Gates, e o chefe de Estado-Maior Conjunto, o almirante Mike Mullen, disseram que as forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) devem endossar o prazo estabelecido pelo presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, quando a aliança realizar sua cúpula anual, no fim de novembro.

 

Os EUA planejam iniciar a retirada dos quase 100 mil soldados mantidos nos país no ano que vem, mas nunca anunciou quanto tempo mais as tropas permaneceriam. Mark Sedwill, a mail alta autoridade civil da Otan no Afeganistão, disse que é possível entregar o controle da segurança para as forças afegãs em 2014.

 

O presidente dos EUA, Barack Obama, vai avaliar o prazo com outros líderes de países membros da Otan na cúpula da aliança, a ser realizada nos dias 19 e 20 de novembro em Lisboa, Portugal.

 

"Veremos uma redução das tropas internacionais e alguns distritos para então passar o controle aos afegãos", disse a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, em uma coletiva de imprensa junto de Gates. "É uma batalha difícil que enfrentamos, mas estamos convencidos de que no ano que vem algumas regiões do Afeganistão estarão nas mãos do governo afegão", completou a secretária, acrescentando que só será possível dar prazos quando a situação permitir.

 

A guerra no Afeganistão já dura 10 anos e analistas dizem que os EUA não conseguem avançar na luta contra os insurgentes do Taleban. O governo afegão lançou um programa de reconciliação com os rebeldes e diz estar conversando com as lideranças taleban, mas os insurgentes negam qualquer contato. A iniciativa do diálogo é apoiada pela Otan e pelos EUA.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoTalebanOtanEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.