Afegãos voltam a plantar papoula

Um ano depois de o Taleban ter proibido a produção de ópio no Afeganistão, agricultores locais estão desafiando a ordem e preparando as terras para o plantio de papoula, informou hoje o representante do Programa de Controle de Drogas da ONU, Bernard Frahi. Segundo ele, isto pode ser um sinal de um aumento da oferta de heroína e outras drogas produzidas à base de papoula nos mercados norte-americano e europeu no próximo ano. Frahi explicou que a maneira como o chão vem sendo lavrado, de uma forma ondulada para permitir a livre passagem da água, indica que os agricultores estão se preparando para cultivar papoula e não outro tipo de lavoura. Os sinais de que os agricultores afegãos estão retomando o plantio de papoula são vistos como um grande revés para as autoridades de controle de drogas da ONU. No ano passado, o líder supremo do Taleban, mulá Mohammed Omar, proibiu a produção de papoula, considerando-a uma atitude não-islâmica. Antes da ordem, o Afeganistão era o maior produtor mundial de papoula. Como resultado da proibição, áreas do Afeganistão controladas pelo Taleban passaram a produzir poucas centenas de toneladas de ópio, em comparação com as 3.200 toneladas produzidas no ano passado e as 4.500 toneladas de um ano antes. Leia o especial

Agencia Estado,

17 Outubro 2001 | 18h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.