Afegãs decidirão sobre uso de burkas

O novo líder afegão, Hamid Karzai, declarou nesta terça-feira que as mulheres de seu país serão livres para decidir se vestirão as burkas que eram obrigadas a usar sob o regime Taleban, recentemente derrubado pela campanha aérea norte-americana. "É por conta delas", disse Karzai após uma reunião com o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi. "Não podemos negar às pessoas seu direito de escolha. Somos basicamente um povo muçulmano e temos nossos princípios básicos, mas também acreditamos que as pessoas têm o direito de escolher."As imagens de mulheres tentando andar com o traje que cobre todo o corpo, com apenas alguns pequenos orifícios para os olhos transformou-se numa espécie de símbolo do governo rígido do Taleban.Karzai conversou com os jornalistas horas antes de um encontro agendado com o rei afegão no exílio, Mohammad Zaher Shah, de 87 anos, que vive em Roma desde que foi deposto por um golpe em 1973.O ex-monarca planeja retornar a seu país em algum momento com o intuito de formar uma ampla assembléia nacional. Segundo Karzai, a assembléia deverá reunir-se dentro de seis meses. Enquanto isso, o Afeganistão será dirigido por um governo transitório chefiado por Karzai.Segundo Berlusconi, serão realizadas eleições 18 meses após a formação da assembléia nacional. "Este é um período sensível, se levarmos em conta tudo o que o país enfrentou", comentou o líder italiano.Mais cedo, Karzai disse que a prioridade, quando assumir o poder, no sábado, será "garantir que a paz e a segurança serão permanentes no Afeganistão". Uma força internacional de manutenção de paz está sendo organizada para ajudar o governo transitório de Karzai. Ele deverá retornar amanhã ao Afeganistão, depois de conversar com o rei exilado e receber a bênção formal.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.