Afinador de piano americano conserta instrumentos em Cuba

Quando o afinador de pianos americano, Benjamin Trehaft, visitou Cuba pela primeira vez, em 1993, descobriu que anos de negligência, umidade e cupins estavam devastando a já diminuta população de pianos da ilha. Passados 13 anos, Treuhaft já ajudou a enviar para a ilha comunista 237 pianos velhos doados por americanos, preenchendo uma lacuna num país musical ao fornecer instrumentos usados para treinar consertos de piano, acompanhar tenores solistas e ensaiar bailarinas."A maioria dos pianos daqui era de fabricação soviética, muitos deles vindos de Moscou e da Estônia, portanto, já não eram grande coisa", disse Treuhaft durante uma visita esta semana. Então, eles foram atacados pelos cupins cubanos. E depois, encontraram os pianistas cubanos, que são maravilhosos, mas muito fortes e capazes de realmente destruir um instrumento.Treuhaft continua voltando aos EUA para procurar instrumentos doados, afiná-los e restaurá-los, chamando insistentemente atenção para o embargo comercial dos Estados Unidos. Após quase 20 viagens à ilha - algumas sem a aprovação dos Estados Unidos - o ex-hippie brincalhão que usa uma bandana na testa e gosta de afinar pianos descalço é agora um personagem conhecido em alguns círculos musicais cubanos. Quando Treuhaft consertou o dilapidado piano russo de Jorge Lopez Marin, o compositor de Havana escreveu uma música cubana para ele chamada El Medico de Piano. Esta música agora é muito tocada por um popular grupo musical composto de mulheres. "Ele fez uma coisa muito importante para a comunidade musical cubana", disse Julia Diaz, um afinadora de piano cubana que conheceu Treuhaft há 12 anos. "Ele é muito querido aqui".Dedicação Os cubanos admiram a dedicação de Treuhaft ao seu ofício e se deliciam com seu comportamento divertido. "Estou de férias", diz Treuhaft, vestindo uma calça jeans preta e uma camiseta debaixo de um velho piano de cauda americano no Instituto Superior de Arte de Havana. "Posso ainda dar uma chegada na praia se eles pararem que encontrar pianos para mim".Treuhaft, que estava voltando para os Estados Unidos na sexta-feira, disse que tem aprovação do Departamento de Tesouro dos Estados Unidos para visitar legalmente Cuba para verificar os pianos doados. Disse, também, que exportou os instrumentos doados com aprovação do Departamento de Comércio dos EUA, que curiosamente lhe concedeu uma licença por meio do Escritório de Mísseis e Tecnologia Nuclear. Mas nesta viagem, "deixei minha licença em casa", disse ele.Treuhaft foi procurado por autoridades do Tesouro depois de fazer uma viagem não autorizada a Cuba em 1994. E recebeu uma multa de US$ 10 mil, que depois foi reduzida para US$ 3.500, a qual se recusou a pagar. O processo continua aberto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.