África do Sul: morte de coelho causou violência em mina

Mineradores relataram a um jornal sul-africano que a morte de um coelho, contrariando o conselho de um curandeiro tradicional, está por trás dos violentos confrontos entre policiais e operários grevistas de uma mina de platina da África do Sul, que deixaram 44 mortos e 78 feridos na semana passada.

AE-AP, Agência Estado

25 de agosto de 2012 | 12h30

Dois funcionários da mina também afirmaram ao jornal Saturday Star que mais mortes teriam ocorrido se não fosse o uso de um medicamento que, segundo a crença local, os faria imune a tiros.

O minerador Khabo Khabo afirmou à publicação que o curandeiro havia reiteradamente alertado os trabalhadores da mina Marikana, pertencente à mineradora Lonmin, que não matassem um coelho que corria pelos arredores do local onde faziam um protesto por aumento salarial.

"Se tivéssemos deixado o coelho em paz, todos os que foram mortos ainda estariam vivos", disse Khabo ao jornal. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
África do Sulcoelhoviolênciamina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.