África do Sul não participará de conferência em Paris sobre a Líbia

País, que não reconheceu governo rebeldes, já havia se oposto aos bombardeios da Otan na Líbia

estadão.com.br

01 Setembro 2011 | 08h20

A África do Sul não participará nesta quinta-feira, 1, da conferência de Paris que debaterá a reconstrução da Líbia, anunciou o presidente sul-africano Jacob Zuma, segundo informações da AFP.

 

Veja também:

TWITTER: Leia e siga nossos enviados à região

OPINE: Onde se esconde Muamar Kadafi?

ESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

 

"Estamos descontentes" com a forma como a resolução 1973 da ONU foi interpretada para levar a cabo os bombardeios aéreos na Líbia, declarou Zuma em uma visita à Noruega.

 

 

"Se havia que recorrer à ação militar, deveria ter sido para ajudar a população civil", disse o presidente sul-africano.

 

No entanto, acrescentou Zuma, "em vez de protegê-los, os bombardearam, enquanto essa cobertura (aérea) permitia ao outro grupo (os rebeldes) seguir avançando". O país não reconheceu o Conselho Nacional de Transição dos rebeldes como governo legítimo da Líbia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.