África do Sul: polícia entra em confronto com grevistas

A polícia da África do Sul usou bombas de efeito moral e balas de borracha nesta terça-feira para dispersar cerca de 3 mil "violentos" mineradores grevistas que se aglomeravam no acesso à mina de Khuseleka, da Anglo American Platinum. O incidente marca o primeiro caso de grande agitação na greve do setor, que entra em sua segunda semana.

Agência Estado

04 de fevereiro de 2014 | 11h17

Segundo a polícia, os grevistas portavam pedaços de pau e bloqueavam o acesso às minas, ameaçando retirar do local os trabalhadores que não aderiram à greve. "A polícia foi obrigada a usar bombas de efeito moral e balas de borracha para dispersar a multidão", informaram as autoridades, acrescentando que dois manifestantes foram presos sob acusação de violência pública.

Desde 23 de janeiro cerca de 80 mil mineradores estão em greve reivindicando um salário mínimo mensal de 12.500 rands (US$ 1.100), quase o dobro do piso atual. Na última quinta-feira, os grevistas rejeitaram um acordo de três anos com as empresas Anglo American Platinum, Impala Platinum Holdings e Lonmin que previa reajustes anuais de 7% nos salários. As negociações entre grevistas e empresas foram retomadas nesta terça-feira. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
África do Sulgrevemineradoresplatina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.