Agência atômica inglesa utilizou ossos de bebês

A Autoridade Britânica para a Energia Atômica (Ukaeka) utilizou ossos de bebês em provas nucleares sem informar os pais, admitiu neste domingo a porta-voz da agência.Cerca de 6 mil fêmures foram extraídos de corpos de bebês entre 1954 e 1970 para medir efeitos de provas nucleares. A porta-voz disse que os pais dos bebês não foram consultados porque isso era normal naquela época.Os estudos com os ossos mostraram uma grande elevação dos níveis de estrôncio 90 nas provas nucleares, o que levou à suspensão das provas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.