Agência da ONU pede envio de mais helicópteros para resgates no Nepal

Como equipes de resgate ainda não conseguem alcançar algumas vilas isoladas do Nepal, uma semana após um terremoto devastar o país, o Programa para Alimentação da Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou que é preciso o emprego de mais helicópteros nos esforços de busca. Muitas das estradas permanecem bloqueadas por deslizamentos de terra, o que torna extremamente difícil o acesso de caminhões de suprimentos às vilas mais altas do Himalaia.

Estadão Conteúdo

02 de maio de 2015 | 09h45

"Definitivamente precisamos de mais helicópteros", afirmou Ertharin Cousin, diretora executiva do Programa para Alimentação da ONU. Agências de ajuda estão usando a cidade de Majuwa como base para enviar suprimentos a áreas mais acidentadas. "Mesmo depois de sete dias, ainda consideramos que os trabalhos estão em estágio inicial, porque muitas pessoas não foram alcançadas. Precisamos de helicópteros para chegar a essas pessoas."

"Esse é um dos locais mais pobres do mundo. Se a comunidade mundial se afastar, as pessoas desse país não irão receber a assistência necessária para reconstruir suas vidas", disse ela.

Nesse momento, Cousin diz que é mais urgente enviar tendas para abrigo que alimentos. Mais de 130 mil casas foram destruídas nos tremores, de acordo com a ONU. Próximo ao epicentro, ao norte de Katmandu, vilas inteiras estão em ruínas, e os residentes precisam de abrigo contra a chuva e o frio.

O terremoto de magnitude 7.8 deixou mais de 6.600 mortos, e a contagem continua subindo, com a chegada de relatos de áreas mais isoladas. A ONU estima que os tremores tenham afetado 8,1 milhões de pessoas, o que corresponde a mais de um quarto da população do Nepal.

O ministro de Informações, Minendra Rijal, afirmou que o Nepal precisa imediatamente de 400 mil tendas e que, até o momento, o governo foi capaz de fornecer apenas 29 mil. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
NepalterremotoONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.