Agência de Segurança Nuclear não descarta danos na contenção do reator 3

Água com nível elevado de radiação pode provir do núcleo da unidade 3 ou, então, da piscina de armazenamento de combustível do mesmo reator

Efe,

25 de março de 2011 | 04h28

TÓQUIO - A Agência de Segurança Nuclear do Japão indicou nesta sexta-feira, 25, que a estrutura de contenção do reator número 3 da usina nuclear de Fukushima pode estar danificada, após ter sido detectada na área água com elevado nível de radioatividade.

 

Em entrevista coletiva, um porta-voz do organismo japonês apontou que a água com radiação pode provir do núcleo do reator, e que "não se pode descartar" que haja danos na estrutura de contenção, embora, insistiu, "é prematuro tecer conclusões".

 

A fonte acrescentou que também é possível que o líquido provenha da piscina de armazenamento de combustível do mesmo reator, embora tenha considerado essa opção menos provável.

 

Dois empregados terceirizados da Tokyo Electric Power Company (Tepco), a operadora da usina nuclear, foram hospitalizados na quinta-feira depois de terem sido expostos a uma radiação excessiva quando trabalhavam em uma sala de turbinas próxima ao reator 3 e inundada com a água contaminada.

 

Segundo a agência de segurança nuclear, o líquido tinha concentração de 3,9 milhões de becquerel de material radioativo por centímetro cúbico, nível 10 mil maior que o registrado pela água de dentro de um reator nuclear ativo.

 

Os operários de Fukushima, com a ajuda de bombeiros de Tóquio e da cidade de Kawasaki, retomaram nesta sexta-feira o lançamento de água sobre as unidades 2, 3 e 4 da central, enquanto tentam reativar as bombas para iniciar seus sistemas de resfriamento.

 

O terremoto e o posterior tsunami que há duas semanas assolaram o nordeste do Japão causaram sérios danos na usina atômica de Fukushima, onde desde então os operários trabalham dia e noite para conter o vazamento de radiação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.