Agência sueca recusa convocação da KGB bielo-russa

A agência de publicidade sueca que jogou centenas de ursinhos de pelúcia com mensagens de apoio aos direitos humanos na Bielo-Rússia recusou a convocação para interrogatório feita pela KGB, a agência de segurança do país, que foi integrante da União Soviética.

AE, Agência Estado

14 de agosto de 2012 | 12h02

Em vez disso, a Studio Total ofereceu discutir o assunto diretamente com o presidente bielo-russo Alexander Lukashenko e o convidou a ir à Suécia.

Na sexta-feira, a KGB convocou a agência a explicar a "entrada ilegal" de dois de seus funcionários em território bielo-russo, ameaçando a equipe com multas, prisão ou trabalho correcional, a menos que eles se apresentassem no período de dez dias. A ação enfureceu o autocrático líder da Bielo-Rússia, que demitiu dois generais por causa dos ursinhos.

Em carta aberta a Lukashenko, publicada nesta terça-feira, a agência disse que as ameaças mostram "maus modos" e diz que não tem "o desejo de visitá-lo". As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
SuéciaBielo-Rússiaursinhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.