Agências da ONU pedem doação para ajudar povo iraquiano

À medida que os conflitos vão se intensificando no Iraque, as agências humanitárias da Organizacão das Nações Unidas (ONU) se esforçam, uma vez mais, para convencer os países a fazerem doações para que a assistência à população iraquiana possa ocorrer. Ontem, as Nações Unidas alertaram que contam com apenas US$ 50 milhões para as operações no Iraque, menos da metade do orçamento necessário para que a assistência possa transcorrer sem sobressaltos."Trata-se da maior operação humanitária já conduzida pela ONU em seus mais de 50 anos de história. Nossa previsão é de que vamos necessitar US$ 130 milhões para os próximos três meses. O problema é que, desde que a guerra começou, nenhum país deu nenhum sinal de que poderá nos ajudar", afirmou uma porta-voz da ONU.Segundo Wivina Belmonte, assessora do Unicef, caso a ONU não tenha dinheiro para implementar seus programas de ajuda, a guerra no Iraque poderá se transformar rapidamente na "maior crise humanitária das últimas décadas".A Organização Mundial da Saúde (OMS), que está encarregada da distribuição de remédios aos iraquianos, afirma que conta com apenas 10% da verba que necessitaria para fazer seu trabalho. Já o Programa de Alimentação Mundial (PAM) afirma que está sendo um "pesadelo" conseguir que os alimentos cheguem à população do Iraque."Temos estoques para seis semanas. Se a guerra for além disso, teremos um grave crise no país", afirma a porta-voz da entidade, que lembra que apenas 26% do território iraquiano é cultivável e que, portanto, a maior parte dos alimentos precisa ser importada.Diante da falta de recursos, a ONU planeja fazer uma conferência internacional para pedir que países ricos façam doações para o Iraque. A reunião ocorreria na semana que vem, em Genebra.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.