Agências pedem acesso ao campo de refugiados de Jenin

Agências internacionais de ajuda humanitária pediram hoje a Israel que deixem seus funcionários entrarem no campo de refugiados de Jenin para ajudar os sobreviventes dos violentos confrontos entre israelenses e palestinos e recolher os corpos dos mortos."Tentamos distribuir comida ontem, mas a autorização para entrarmos veio tão tarde que o caminhão só entrou no campo depois das 6h da tarde. Depois, não tivemos permissão para descarregar e fomos obrigados a partir.", disse Rene Aquarone, porta-voz da agência da ONU responsável pela ajuda aos refugiados palestinos, conhecida pela sigla UNRWA.Aquarone contou a jornalistas que a UNRWA enviou mais caminhões à entrada do campo de refugiados hoje e espera pela permissão para distribuir a ajuda para os necessitados.As porta-vozes da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Unicef também reclamaram que as agências não puderam entregar suprimentos médicos e alimentares aos moradores que estiveram sob um rigoroso toque de recolher em Jenin durante mais de uma semana.Ambulâncias da UNRWA e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha conseguiram entrar brevemente para recolher oito cadáveres no campo de refugiados no fim da noite de ontem, contou Aquarone. "Porém, muitos mortos não estavam à vista. Teremos de utilizar equipamentos pesados para remover os escombros e procurar por mais mortos e feridos."Em Bruxelas, o comissário de Ajuda e Desenvolvimento da União Européia (UE), Poul Nielson, criticou o governo israelense por negar o acesso das organizaçãos humanitárias às áreas afetadas pelos choques entre soldados do Exército israelense e militantes palestinos armados.Nielson lembrou que Israel é obrigado a respeitar a Convenção de Genebra, assinada em 1949 e que permite o rápido acesso aos necessitados de suprimentos humanitários como comida, água, medicamentos e abrigo.Israelenses e palestinos brigam na justiça para saber quem terá o direito de remover os corpos, como parte de uma disputa sobre o que realmente aconteceu durante a ocupação israelense do campo de refugiados.Os palestinos acusam Israel de ter promovido um massacre em Jenin. Israel insiste que a acusação é falsa. De acordo com os israelenses, cerca de 100 palestinos foram assassinados, entre eles muitos militantes palestinos.No domingo, a Suprema Corte de Israel rejeitou um pedido do Exército para que a maior parte dos corpos fosse enterrada num cemitério israelense e insistiu que quem deverá monitorar a retirada dos cadáveres é a Cruz Vermelha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.