Agente da Al-Qaeda inocenta suposto cúmplice do 11/9

Um importante agente da Al-Qaeda que se encontra sob custódia do governo americano disse que um cidadão marroquino, acusado de ajudar os pilotos suicidas de 11 de setembro de 2001, não conhecia o plano para o ataque contra os Estados Unidos. Um resumo dos depoimentos de dois homens da Al-Qaeda a autoridades americanas foi apresentado no tribunal alemão que julga o suposto cúmplice, Mounir el Motassadeq.O Departamento de Estado dos EUA faz uma ressalva, porém, notando ?inconsistências de pelo menos um dos indivíduos? interrogados e que ?pode haver motivo para questionar as alegações a respeito de Mounir el Motassadeq?.Motassadeq, acusado de dar apoio logístico à chamada Célula de Hamburgo de Al-Qaeda, da qual faziam parte Mohamed Atta, Marwan al-Shehhi e Ziad Jarrah - três dos perpetradores dos ataques de 11/9/2001 - está sendo julgado pela segunda vez, depois que sua condenação inicial foi derrubada, em março.A corte de apelações determinou novo julgamento por considerar que a ausência do testemunho de suspeitos detidos nos EUA era injusta para com o réu. Os Estados Unidos mantêm sob custódia Ramzi Binalshibh, supostamente o homem de ligação entre a Célula de Hamburgo e o restante da Al-Qaeda. O resumo submetido pelos EUA à Justiça alemã diz que Binalshibh afirma que Motassadeq não tomou parte na conspiração para cometer os atentados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.