Agente da CIA passou-se por homem-bomba

Infiltração de espião na Al-Qaeda frustra plano de atentado do grupo divulgado segunda-feira

NOVA YORK , O Estado de S.Paulo

09 Maio 2012 | 03h06

O homem-bomba que seria usado pela Al-Qaeda na Península Arábica para cometer um atentado em um voo comercial usando explosivos que podem passar por detectores de metal sem disparar alarmes era um agente duplo da CIA, a agência de inteligência americana. A ação de contrainteligência foi tornada pública ontem por autoridades americanas e iemenitas, um dia depois do atentado frustrado ter sido divulgado.

De acordo com membros do governo americano que sabiam do plano, o agente - cuja identidade e nacionalidade é mantida em sigilo - infiltrou-se na afiliada da Al-Qaeda no Iêmen e passou várias semanas em treinamento nos campos da organização. Ele se ofereceu para executar o atentado, que estava agendado para uma data próxima do aniversário da morte de Osama bin Laden, e foi selecionado para a operação.

O agente duplo viajou do Iêmen para os Emirados Árabes entregou o material que seria usado para explodir o avião para o FBI. De lá, voou para a Arábia Saudita, onde está atualmente.

Ainda de acordo com autoridades americanas, as informações dadas pelo agente duplo possibilitaram a execução do ataque com avião não tripulado (drone) no Iêmen que matou Fahd Mohammed Ahmed al-Quso, um dos responsáveis pelo ataque ao USS Cole, no Mar Arábico, no ano 2000.

O explosivo, que foi desenhado para ser ocultado nas roupas íntimas do homem-bomba, era uma evolução do dispositivo usado pelo nigeriano Umar Farouk Abdulmutallab, que tentou derrubar um voo que ia de Amsterdã para Detroit no Natal de 2009. Ao contrário da primeira versão, ele tinha dois detonadores, para o caso de um deles falhar. A bomba, segundo membros do governo americano, tinha "totais condições" de derrubar um avião.

A operação de contrainteligência começou há oito meses, quando o governo americano começou a interceptar planos da Al-Qaeda na Península Arábica para executar um novo atentado em solo americano. A informação foi vazada à imprensa após o agente duplo ter chegado a uma localização segura.

Atentado frustrado. O responsável pela fabricação da bomba é o terrorista Ibrahim Hassan al-Asiri, um saudita de 28 anos. Além da ação em Detroit e da atual, Al-Asiri teria sido o fabricante dos explosivos colocados em impressoras.

O governo dos Estados Unidos ontem buscava acalmar a população. "Creio que as pessoas pegando voos hoje devem se sentir confiantes de que os nossos serviços de inteligência estão trabalhando", disse o diretor de contraterrorismo John Brennan. / NYT, COM GUSTAVO CHACRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.