Agente questiona prontidão do FBI em caso de guerra

A agente do FBI Coleen Rowley disse a seu chefe não acreditar que a polícia federal norte-americana seja capaz de lidar com eventuais atos terroristas se uma guerra contra o Iraque for iniciada. Rowley - a agente que expôs as falhas dos serviços de inteligência dos Estados Unidos com relação aos atentados de 11 de setembro de 2001 - manifestou suas preocupações numa carta de sete páginas enviada no mês passado a Robert Mueller, diretor do FBI."A postura de segurança interna do país vem sendo enfraquecida devido ao desvio de atenção da Al-Qaeda para os planos de invasão do Iraque, uma medida que, muito provavelmente, aumentará de forma exponencial a ameaça do terrorismo contra os Estados Unidos, tanto dentro do país quanto no exterior", escreveu ela."Deveríamos nos conscientizar - tanto nós quanto o povo norte-americano - de que não há meios de o FBI, apesar das diversas melhoras que o senhor está implementando, conter totalmente a onda de terrorismo que provavelmente estará em nosso caminho" no caso de uma guerra contra o Iraque, prossegue a agente.A carta tem amplo escopo e questiona supostas evidências de ligação entre a Al-Qaeda e o Iraque e a veracidade de uma declaração segundo a qual haveria 5.000 terroristas dentro dos Estados Unidos.Rowley questiona ainda o motivo pelo qual não foram investigadas supostas ligações entre Zacarias Moussaoui, a pessoa detida em Minnesota e acusada de conspirar com os seqüestradores de 11 de setembro, e Richard Reid, condenado por tentar explodir um avião com explosivos plásticos escondidos em seu sapato.Um porta-voz do FBI recusou-se a comentar a carta, que foi enviada a The New York Times e ao Star Tribune, de Mineápolis.Rowley, há 22 anos no FBI, não foi encontrada hoje para conversar sobre o assunto.A Casa Branca minimizou a importância da carta de Rowley. O porta-voz da presidência, Ari Fleischer, disse que alertas semelhantes foram feitos antes da ofensiva militar dos EUA contra o Afeganistão e o Taleban, e nada aconteceu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.