Rogelio V. Solis/AP
Rogelio V. Solis/AP

Agentes de imigração detêm 680 ilegais em fábricas no Mississippi

Apreensões foram resultado de uma investigação que durou um ano; maioria dos presos é de origem latina

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2019 | 18h37

WASHINGTON - Agentes de imigração detiveram nesta quarta-feira, 7, 680 imigrantes ilegais, a maioria latinos, em operações em sete fábricas de processamento de alimentos no sudeste dos EUA, como parte das medidas do presidente Donald Trump contra a imigração ilegal.

As apreensões ocorreram no mesmo dia em que Trump visitou a cidade de El Paso, no Texas, onde um atirador matou 22 pessoas no sábado após publicar na internet um manifesto racista no qual falava em combater a "invasão" de hispânicos nos EUA.

"Agentes Especiais executaram ordens de prisões administrativas e criminais que resultaram na detenção de cerca de 680 imigrantes ilegais", disse em uma entrevista coletiva Mike Hurst, promotor do distrito sul do Mississippi.

"Têm que respeitar nossas leis. Têm que vir aqui legalmente ou não vir para nada", acrescentou.

O diretor interino da agência de imigração ICE, Matthew Albence, acrescentou que as apreensões foram resultado de uma investigação de um ano. Ele acrescentou que as crianças cujos pais foram presos serão enviados, em sua maioria, a outroa membros de sua família.

Alguns dos imigrantes serão liberados com tornozeleiras eletrônicas enquanto os juízes examinam seus casos.

As apreensões ocorreram em sete fábricas nas cidades de Morton, Carthage, Canton, Pelahatchie, Sebastopol e Bay Springs, no Mississippi. Em junho, Trump prometeu deportar "milhões de estrangeiros em situação ilegal". / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.