Agentes do FBI buscam cúmplices de Eric Rudolph

As autoridades federais começaramhoje a interrogar Eric Robert Rudolph, acusado de ser o responsável pelo atentado do Parque Centenário, em Atlanta, durante os Jogos Olímpicos de 1996 e por outros ataques a bombano sudeste dos EUA, principalmente contra clínicas de aborto e bares de homossexuais.Dezenas de agentes do FBI vasculharam hoje uma extensa área de floresta, a oeste da Carolina do Norte, na busca de pistas que expliquem como Rudolph conseguiu escapar da Justiça desde 1990,quando foi apontado como o responsável pelos ataques. O FBI pensa fazer exames de DNA com o intuito de reforçar suasacusações contra Rudolph, um veterano do Exército que conseguiu,com técnicas de sobrevivência, fugir de uma das maiores caçadasdos últimos anos. Rudolph, de 36 anos, foi detido na madrugada de sábado por umpolicial enquanto remexia a lixeira de uma loja. Amanhã, Rudolphserá apresentado a um tribunal em Asheville, também na Carolinado Norte. O atentado do Parque Centenário deixou um morto e mais de cemferidos. As acusações federais de uso de explosivos podemlevá-lo à pena de morte. Outros quatro atentados contra clínicas de aborto deixaramdois mortos e cerca de 150 feridos. A polícia quer saber seRudolph contou com a ajuda de alguém para fugir. As autoridades suspeitam que Rudolph deve ter recebido ajudade membros de seu grupo de ultradireita, a Identidade Cristã,que, entre outros delitos, promove o ódio racial. A enfermeira Emily Lyons, que perdeu a visão de um dos olhos eficou paraplégica num ataque a uma clínica de abortos, disse-se"aliviada" com a de Rudolph. "Agora ele já não pode fazer mala ninguém", disse. Desde seu misterioso desaparecimento, Rudolph tornou-se umaespécie de figura mítica para seus partidários e inspiroucanções e uma venda febril de camisetas com a frase "Corra,Rudolph! Corra!"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.