Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Agentes duplos britânicos bombardearam seu próprio país

Durante a Segunda Guerra Mundial, agentes britânicos do serviço de contra-espionagem bombardearam centrais elétricas e depósitos de suprimentos na Grã-Bretanha para convencer as forças alemãs, nas quais haviam se infiltrado, sobre sua fidelidade, de acordo com um antigo documento secreto tornado público hoje em Londres.O relato faz parte de um lote de 300 documentos que o governo mantinha em segredo e que vieram a público no âmbito da maior operação do tipo realizada pelo Arquivo Nacional da Grã-Bretanha.Um documento fala sobre a prima de Winston Churchill, Clare Sheridan, uma militante comunista que havia revelado a dois espiões da extinta União Soviética alguns detalhes sobre uma conversa mantida com o ex-primeiro-ministro britânico.Outro documento do MI-5, o principal serviço secreto da Grã-Bretanha, indica que Harold Kim Philby - pai de Kim, uma famosa espiã soviética infiltrada no Exército britânico - enlouqueceu durante uma viagem à Arábia Saudita e acabou internado num hospital psiquiátrico.Os papéis tornados públicos hoje também indicam que a mulher do líder fascista britânico Oswald Mosley, Lady Diana, era considerada pelo governo Churchill mais perigosa que o marido.Mais inteligente e ambiciosa, ela representava uma ameaça maior à segurança da Grã-Bretanha. Por este motivo, os agentes secretos controlavam todos os seus movimentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.