Agentes italianos detidos suspeitos de ajudar seqüestro

Promotores italianos anunciaram nesta quarta-feira a detenção de dois agentes secretos do país sob suspeita de ajudarem a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA, por suas iniciais em inglês) a seqüestrar um clérigo egípcio em Milão em 2003.De acordo com um comunicado, os promotores italianos também estão em busca de quatro americanos, sendo três agentes da CIA e um funcionário da Base Aérea de Aviano, operada em conjunto pelos EUA e pela Itália e para onde o clérigo teria sido levado depois do seqüestro em Milão.Os promotores milaneses informaram que os dois agentes do serviço secreto Sismi são os primeiros suspeitos italianos detidos no âmbito das investigações. A identidade dos agentes não foi oficialmente divulgada. O comunicado diz apenas que um deles dirigia a primeira divisão da Sismi, responsável pelo combate ao terrorismo internacional, e o outro era diretor de operações da agência no norte da Itália na época do seqüestro.A imprensa italiana identificou os dois como Marco Mancini, atual diretor de contra-espionagem militar, e Gustavo Pignero, cujo cargo atual não foi esclarecido. De acordo com a imprensa, ambos são acusados de envolvimento no seqüestro de Osama Mustafa Hassan Nasser, um clérigo egípcio suspeito de envolvimento em atos de "terrorismo".Ele foi seqüestrado em uma rua de Milão em 17 de fevereiro de 2003. De acordo com os promotores, Nasser foi então levado para Aviano e colocado ilegalmente em um avião que o levou primeiro para a Alemanha e depois para o Egito, onde teria sido torturado no âmbito da guerra promovida pelos EUA contra o "terrorismo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.