Estailove St-Val/REUTERS
Estailove St-Val/REUTERS

Agentes matam quatro suspeitos de assassinar presidente do Haiti e prendem outros dois, diz governo

Polícia faz operação na capital do país, Porto Príncipe

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2021 | 22h21
Atualizado 08 de julho de 2021 | 14h56

PORTO PRÍNCIPE - Quatro mercenários morreram e dois foram presos após o assassinato do presidente do Haiti Jovenel Moise, crime do qual são suspeitos, informou a polícia nesta quarta-feira, 7, informando que suas forças realizam uma operação na capital, Porto Príncipe.

"Quatro mercenários foram mortos, dois foram colocados sob nosso controle. Três policiais que foram feitos reféns foram recuperados", disse o diretor-geral da polícia haitiana, Leon Charles, em um comunicado à televisão.

Ele acrescentou que a polícia perseguiu os assassinos imediatamente após o tiroteio contra Moise, em sua residência em Porto Príncipe, na manhã desta quarta-feira.

O assassinato de Moise trouxe mais instabilidade para um país que já sofre com a violência de gangues, aumento da inflação e protestos contra seu governo, cada vez mais autoritário. Mais cedo, o primeiro-ministro interino Claude Joseph disse que a polícia e os militares estão no controle da segurança no país, o mais pobre das Américas.

Em uma entrevista à agência Associated Press, Joseph pediu uma investigação internacional sobre o assassinato, disse que as eleições marcadas para o final deste ano deveriam ser realizadas e prometeu trabalhar com os aliados e oponentes de Moise.

Apesar das garantias de Joseph de que a ordem prevaleceria, houve confusão sobre quem deveria assumir o controle e uma ansiedade generalizada entre os haitianos.

As ruas normalmente movimentadas da capital, Porto Príncipe, estavam vazias nesta quarta-feira. Tiros esporádicos foram ouvidos à distância, o transporte público era escasso e algumas pessoas procuraram lojas que estavam abertas para estocar comida e água. O aeroporto internacional foi fechado.

Estado de sítio

Joseph declarou estado de sítio no país, colocando o país basicamente sob lei marcial.  Durante 15 dias, a polícia e os membros da segurança podem entrar nas casas, controlar o trânsito e tomar medidas especiais de segurança e “todas as medidas gerais que permitam a prisão dos assassinos” de Jovenel Moise. O texto também proíbe reuniões destinadas a "preparar" a desordem. /AFP, AP e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.