Agitadores tentam atrapalhar eleição, diz presidente paraguaio

O presidente paraguaio, NicanorDuarte Frutos, denunciou na terça-feira que um grupo de"agitadores sociais" do Equador e da Venezuela está no paíspara levar a cabo ações violentas caso seu partido ganhe aseleições gerais, no domingo. Também afirmou que havia explosivos escondidos nodepartamento de San Pedro, local apontado pela polícia como umesconderijo de grupos radicais de esquerda acusados desequestro, para criar desordens no dia da votação. A denúncia elevou a tensão a poucos dias de uma eleição deprognóstco reservado, na qual o partido de Duarte pode cair,depois de mais de seis anos no poder. "Recebemos a denúncia de que estão escondendo explosivos eestão chegando vários estrangeiros especialistas em agitaçãosocial do Equador e da Venezuela", disse Duarte a jornalistasem um comício em Caaguazú, a aproximadamente 180 quilômetros aleste de Assunção. "O governo tomará as medidas necessárias para evitar queinfiltrados gerem violência no Paraguai", acrescentou opresidente, que não identificou os supostos agitadores. Duarte disse que já alertou sobre os possíveis atos deviolência à promotoria e às Forças Armadas, que colaborarão coma polícia para reforçar a segurança em todo o país no próximodomingo.Nas eleições, enfrentam-se Blanca Ovelar, candidata do PartidoColorado, do governo, e o popular ex-bispo católico FernancoLugo, que lidera uma aliança de centro-esquerda de partidospolíticos e movimentos sociais. Lugo encabeça as pesquisas de intenção de voto, apesar dadistância em relação a Ovelar ter diminuído nas últimassemanas, assim como a diferença em relação ao generalaposentado Lino Oviedo, candidato do partido direitista Unace. As eleições serão feitas em um só turno. Ganha o candidatoque obtiver o maior número absoluto de votos. (Reportagem de Mariel Cristaldo, escrito por DanielaDesantis) REUTERS MR CP

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.