Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Agressor ataca funcionários humanitários no Afeganistão

Um homem armado atacou hoje um grupo de trabalhadores humanitários alemães e afegãos que inspecionava a reforma de uma escola no Afeganistão. Uma funcionário afegão morreu e várias pessoas ficaram feridas no ataque, ocorrido na província de Khost, segundo afirmou um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, em condição de anonimato. O Ministério também não identificou a organização humanitária alemã envolvida na reforma da escola.

AE-AP, Agência Estado

26 de março de 2010 | 17h31

O agressor abriu fogo a partir de um veículo, quando se aproximava do local, e depois fugiu para uma casa próxima, onde entrou em confronto com a polícia, disse o governador interino Taher Khan Sabari. Mais pessoas ficaram feridas nesse tiroteio. Um funcionário do hospital local, Amir Pacha, disse que um total de nove pessoas feridas foram enviadas para o local, dentre elas três policiais. Ele não soube precisar quantas foram feridas no primeiro ataque e quantas no tiroteio em seguida.

Khost é a mesma província onde um suicida jordaniano atacou uma base da CIA em dezembro, matando sete funcionários da agência norte-americana. Khost está localizada ao longo da fronteira com o Paquistão e é um local com forte presença da rede Haqqani, ligada à Al-Qaeda.

Mais violência

Hoje também, um soldado da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) morreu após a explosão de uma bomba no sul do país. A força internacional não divulgou a nacionalidade do soldado morto.

Em outro incidente, forças da Otan cuidavam de três crianças feridas, que foram levadas para uma base na província central de Uruzgan logo depois de as tropas terem concluído um exercício de tiro. Uma investigação foi lançada para determinar a causa dos ferimentos, afirmou a força internacional em comunicado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.