Ahmadinejad cogitou renúncia após veto de Khamenei

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, estudou renunciar ao cargo após o líder supremo do país, aiatolá Ali Khamenei, ter vetado sua decisão de demitir o ministro de Inteligência, Heydar Moslehi. "Por um momento o presidente chegou a considerar a possibilidade de deixar o cargo, mas decidiu que deveria continuar no posto", disse o porta-voz do Parlamento, Mohammad Reza Bahonar.

MARCÍLIO SOUZA, Agência Estado

29 de maio de 2011 | 15h36

Ahmadinejad retirou-se da vida pública por dez dias no final de abril, em protesto contra a decisão de Khamenei de manter o ministro de Inteligência no cargo. Isso provocou uma crise política dentro do campo conservador, e líderes ultrarreligiosos denunciaram a decisão de Ahmadinejad como uma ameaça ao regime.

"O líder supremo quer que o governo continue seu trabalho até o fim do mandato com serenidade e de maneira natural", disse Bahonar. O mandato de Ahmadinejad termina em agosto de 2013 e ele não pode candidatar-se às eleições que ocorrerão dois meses antes. A Constituição do país proíbe mais de dois mandatos consecutivos para os presidentes. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.