Ahmadinejad confirma data para retomada de diálogo nuclear

Irã e potências voltarão a discutir enriquecimento de urânio no próximo dia 5; local está indefinido

Reuters

29 de novembro de 2010 | 12h18

TEERÃ - O Irã aceitou a data de 5 de dezembro proposta para a retomada das negociações sobre o seu programa nuclear, disse nesta segunda-feira, 29, o presidente do país, Mahmoud Ahmadinejad.

 

Veja também:

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

 

As seis potências que discutem o programa nuclear iraniano - Rússia, EUA, China, França, Reino Unido e Alemanha - esperam que as conversas se concentrem no enriquecimento de urânio da República Islâmica, embora Teerã já tenha adiantado que não tocará no assunto no diálogo.

 

"Foram propostas datas, elas aceitaram uma delas e nós não vemos problemas com isso", afirmou Ahmadinejad em uma coletiva de imprensa, acrescentando que o lugar onde ocorrerá a reunião ainda está sendo discutido.

 

A agência de notícias russa RIA Novosti afirma que as conversas devem ocorrer em Genebra. A agência cita o embaixador iraniano em Moscou como a fonte dessa informação.

 

As potências ocidentais acusam o Irã de esconder, sob seu programa nuclear civil, outro de natureza clandestina e aplicações bélicas, cujo objetivo seria a aquisição de armas atômicas. Teerã nega tais alegações.

 

As tensões sobre o programa nuclear iraniano se acirraram no final do ano passado após o Irã rejeitar uma proposta de troca de urânio feita por EUA, Rússia e Reino Unido. Meses depois, o país começou a enriquecer urânio a 20%.

 

Um acordo mediado por Brasil e Turquia para troca de urânio chegou a ser assinado com o Irã em maio. O acordo, porém, foi rejeitado pelo Grupo de Viena - composto por Rússia, França, EUA e AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) - e o Conselho de Segurança da ONU optou por impor uma quarta rodada de sanções ao país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.