Andrew Gombert/Efe
Andrew Gombert/Efe

Ahmadinejad diz duvidar de ação militar de Israel e EUA contra Irã

Para iraniano, EUA não entendem o que é uma guerra, e quando ela começa, não conhece limites

AE, Agência Estado

21 de setembro de 2010 | 15h07

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse nesta terça-feira, 20, em Nova York que não acredita em um ataque israelense e americano ao Irã por conta do polêmico programa nuclear do país.

Veja também:

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

Segundo o blog da revista Atlantic, em um encontro com editores e donos de meios de comunicação americanos em Nova York, Ahmadinejad disse que os EUA não entendem o que é uma guerra e que quando um conflito começa, ele não conhece limites.

Perguntado sobre se consideraria um ato de guerra a hipótese do governo americano permitir o uso do espaço aéreo iraquiano para aviões israelenses atacarem as instalações nucleares iranianas, o presidente disse que um confronto é pouco provável.

" Vocês acham que alguém atacaria o Irã para começo de conversa? Eu realmente acho que não. O regime sionista (como ele se refere ao Estado de Israel) é uma entidade pequena no mapa. Ao ponto de não entrar na nossa equação", disse o presidente.

Impasse nuclear

As potências ocidentais acusam o Irã de esconder, sob seu programa nuclear civil, outro de natureza clandestina e aplicações bélicas, cujo objetivo seria a aquisição de armas atômicas. Teerã nega tais alegações.

As tensões sobre o programa nuclear iraniano se acirraram no final do ano passado após o Irã rejeitar uma proposta de troca de urânio feita por EUA, Rússia e Reino Unido. Meses depois, o país começou a enriquecer urânio a 20%.

Um acordo mediado por Brasil e Turquia para troca de urânio chegou a ser assinado com o Irã em maio. O acordo, porém, foi rejeitado pelo Grupo de Viena - composto por Rússia, França, EUA e AEIA - e o Conselho de Segurança da ONU optou por impor uma quarta rodada de sanções ao país.

Leia ainda:

linkObama deve oferecer diálogo ao Irã na ONU

linkIrã diz estar pronto para negociar com potências

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIrãguerralimites

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.