Ahmadinejad é acusado de tentar comprar votos no Irã

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, foi acusado por seus rivais na corrida presidencial de tentar comprar votos para as eleições gerais de 12 de junho. Segundo as acusações, a equipe de Ahmadinejad está entregando cheques aos pobres de olho nos votos. O governo distribui cheques com valores de 500 mil e 1 milhão de rials (US$ 50 e US$ 100) a estudantes, professores e famílias pobres, na maioria das áreas rurais e em pequenas cidades. Porém a administração nega que esses pagamentos tenham qualquer relação com o calendário eleitoral.

AE-AP, Agencia Estado

19 de maio de 2009 | 10h54

O principal candidato reformista, Mir Hossein Mousavi, disse que esses pagamentos são uma afronta à dignidade dos iranianos. O candidato conservador Mohsen Rezaei afirmou que o presidente deveria criar empregos, e não simplesmente doar fundos públicos. Ahmadinejad enfrenta uma dura disputa para seguir no posto. A popularidade do presidente está em queda, e ele é acusado de ser o responsável pelos problemas econômicos do país.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãeleiçõescompra de votos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.