Ahmadinejad: Irã não suspende programa, mas quer negociar

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, insistiu neste domingo, dia em que o país comemora o 28º aniversário da Revolução Islâmica, que Teerã não suspenderá seu programa de enriquecimento de urânio, mas que está disposto a continuar "incondicionalmente" o diálogo com a comunidade internacional."Não aceitamos as condições impossíveis de serem cumpridas, e não suspenderemos nossas atividades", disse Ahmadinejad em discurso pronunciado diante de dezenas de milhares de iranianos no aniversário da revolução que em 1979 derrubou o regime monárquico.As declarações foram feitas a poucos dias do termino de um ultimato dado pelo Conselho de Segurança da ONU para que o Irã suspenda suas atividades de enriquecimento de urânio. Já alvo de uma resolução da instância máxima da comunidade internacional, Teerã poderá ser submetido a novas sanções caso não cumpra o prazo.Entretanto, as declarações deste domingo e a colocação em funcionamento, na semana passada, de 3 mil novas centrífugas para enriquecer o material nuclear são sinais de que a República Islâmica dificilmente cumprirá as demandas da ONU."Em 11 de fevereiro de 2007 a nação iraniana sobrepôs os passos mais difíceis e estabilizou seu direto (nuclear)", disse Ahmadinejad. Apesar do tom desafiador, o presidente insistiu que seu país está pronto para o diálogo e que trabalhará dentro dos limites impostos pelo Tratado de Não Proliferação Nuclear - acordo que proíbe a produção de armamentos atômicos. Ahmadinejad também afirmou que Teerã anunciará até o dia 9 de abril "novos avanços" em suas atividades nucleares. Ele não deu informações detalhadas sobre o que será o novo avanço. A data marca um ano desde que o Irã anunciou ter enriquecido pequenas quantidades de urânio pela primeira vez.DiálogoO líder iraniano ressaltou que "apesar de o Parlamento Islâmico do Irã ter dado a permissão para que o nível das colaborações com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) sejam revistas, e inclusive suspensas, o governo iraniano quer resolver o caso de forma pacífica e através do dialogo".A declaração vem no mesmo dia em que o principal negociador do programa nuclear iraniano, Ali Larijani, afirmou que a o Irã está preparado em comprometer-se com todas as pendências com a AIEA nas próximas três semanas."Hoje nós anunciamos a vocês que o desejo político do Irã visa um acordo negociado do caso e que nós não queremos agravar a situação em nossa região", disse Larijani em visita à Alemanha para um encontro mundial sobre segurança. Na sexta-feira, a AIEA suspendeu praticamente metade da ajuda técnica proporcionada ao Irã, em uma punição simbólica ao tom desafiador mantido pelo regime de Teerã. Apenas a Coréia do Norte e o Iraque de Saddam Hussein sofreram sanção semelhante no passado.Ahmadinejad, entretanto, minimizou a importância de possíveis medidas punitivas contra seu país em relação ao programa nuclear, enquanto confiava em que no final a República Islâmica "sairá vitoriosa". No sábado, o jornal britânico The Guardian publicou uma reportagem em que atribui à "fontes bem relacionadas em Washington" a informação de que os Estados Unidos preparam um plano para bombardear instalações nucleares na República Islâmica. Os Estados Unidos e parte da comunidade internacional acusam Teerã de manter um plano secreto para desenvolver armamentos nucleares.Esforços da juventudePerante milhares de pessoas que exibiam bandeiras do Irã e de líderes religiosos, Ahmadinejad declarou que seu país tinha conseguido a tecnologia nuclear graças aos esforços da juventude iraniana."O povo iraniano tem hoje em dia a tecnologia nuclear e a utiliza em diferentes campos pacíficos", disse.Além disso, afirmou que todas as atividades nucleares continuam sendo executadas."A extração de material (mineral de urânio) em Isfahan está acontecendo com rapidez, enquanto as instalações de produção de água pesada, e a central que utiliza água pesada" continuam funcionando, disse o líder iraniano, afirmando que estes avanços estão sendo usados no campo da medicina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.