Ahmadinejad oferece combustível nuclear por 50% do preço

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, ofereceu publicamente nesta segunda-feira combustível nuclear "50% mais barato que o preço mundial" e incentivou os países com tecnologia nuclear a fechar suas fábricas para comprar o combustível do Irã.Em discurso em Pishva (na periferia de Teerã), o presidente lançou duras críticas "às grandes potências", principalmente contra o Reino Unido, porque negam ao Irã "o direito à energia nuclear pacífica quando têm inclusive a bomba atômica", segundo a agência oficial Irna. Ele disse também que seu país responderá firmemente a eventuais sanções lançadas contra o programa nuclear iraniano pelo Conselho de Segurança da ONU."Os esforços das grandes potências só irão incitar a raiva e o ódio", disse Ahmadinejad. "A nação iraniana irá reagir às restrições com uma resposta apropriada e firme", disse ele, sem especificar que medidas seriam adotadas.O discurso foi dado enquanto os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU discutem um rascunho de resolução que irá impor sanções contra o Irã. A punição será uma resposta à resistência iraniana em congelar seu programa de enriquecimento de urânio, mesmo após um ultimato da ONU. O processo, que Teerã diz ser parte de um programa nuclear pacífico, pode gerar combustível para a produção de energia ou para o desenvolvimento de armas atômicas.Apesar das pressões dos países ocidentais que formam o Conselho de Segurança (Estados Unidos, França e Grã-Bretanha), China e Rússia - as outras duas nações que compõe o órgão - continuaram contrárias à adoção de medidas punitivas. Teerã é um parceiro comercial dos dois países.Em conversa telefônica com Ahmadinejad nesta segunda-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, disse que a Rússia é fortemente à favor de uma solução negociada para a crise.Com o conselho dividido, Ahmadinejad manteve seu tom desafiador, e disse à multidão que preferiria enfrentar sanções do que rebaixar-se às pressões do Ocidente. "Nós iremos permanecer firmes", disse. Ele também zombou da Grã-Bretanha, nação que classificou como "seguidora da arrogância" por se alinhar com a política externa americana. "Os britânicos transformaram-se simplesmente em um guia para a cegueira dos Estados Unidos", disse o presidente. Durante seu discurso, Ahmadinejad foi interrompido em várias ocasiões pela multidão, que gritava "Morte à Inglaterra". Na semana passada, o primeiro-ministro britânico pediu que o Conselho de Segurança propusesse uma "resolução apropriada" contra as atividades nucleares iranianas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.