Ahmadinejad: ONU se arrependerá por adoção de sanções

Após ser censurado pelo Conselho de Segurança (CS) da ONU, o Irã deixou claro neste domingo que prosseguirá com suas atividades de enriquecimento de urânio e prometeu mudar suas relações com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). No sábado, o CS adotou uma resolução contra a insistência da República Islâmica em não suspender seu programa nuclear, apesar das advertências da comunidade internacional. Mantendo a habitual postura desafiadora, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, reagiu à decisão da ONU afirmando que o Conselho de Segurança se arrependerá pela aprovação das sanções. "Eu lamento que vocês tenham perdido a oportunidade de estabelecer uma amizade com o povo iraniano", disse Ahmadinejad dirigindo-se ao Ocidente. "Vocês sabem que não podem machucar o povo iraniano nem um pouquinho.""Os ocidentais querem despojar o Irã de uma conquista conseguida com seu próprio esforço e impedir seu desenvolvimento", acrescentou o líder, citado pela agência de notícias Fars.Ahmadinejad afirmou ainda que os países ocidentais têm que se acostumar a conviver com um Irã nuclearizado.Em um comício em frente à antiga embaixada dos Estados Unidos em Teerã, o presidente classificou o Irã como um país nuclear, "queira ou não queira Ocidente"."Vocês devem aceitar que o Irã possui a tecnologia para produzir combustível nuclear. E nós iremos celebrar isso no próximo aniversário da Revolução Islâmica de 1979, em fevereiro."A resolução 1737, que foi adotada no sábado por unanimidade pelos 15 membros do Conselho de Segurança, exige a Teerã que suspenda suas atividades de enriquecimento de urânio em um prazo de 60 dias.Em caso de descumprimento, o texto proíbe que Estados-membros do organismo forneçam materiais e tecnologias que possam ser utilizados por Teerã em seus programas nucleares e de mísseis. As sanções também incluem o congelamento dos ativos financeiros de companhias e indivíduos envolvidos nestes programas.Relação com a AIEATambém neste domingo, o porta-voz Ministério do Exterior Ali Hosseini disse que o Irã pretende mudar seu relacionamento com a AIEA. "Nós não somos obrigados e não é esperado que a cooperação com AIEA continue no mesmo nível", disse ele em entrevista. Ainda assim, o porta-voz da chancelaria iraniana não deu detalhes de como seria essa mudança. A decisão foi endossada pelo Parlamento. Neste domingo, legisladores iranianos votaram pela revisão da cooperação com a agência. Ainda não há um cronograma para a discussão das mudanças. Muitos parlamentares gritaram "morte à América" após a votação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.