Ahmadinejad: países árabes são cúmplices de 'genocídio'

O presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad, acusou hoje alguns Estados árabes e islâmicos de cumplicidade com o que classificou como "genocídio" cometido por Israel contra os palestinos na Faixa de Gaza. "Infelizmente, alguns Estados na região árabe e islâmica toleram ou apoiam este surpreendente genocídio em silêncio ou com um sorriso de satisfação", disse Ahmadinejad, em carta ao rei saudita Abdala, referindo-se à operação israelense na Faixa de Gaza, que já deixou mais de mil mortos e 5 mil feridos, segundo serviço médico palestino."Sua excelência, o rei da Arábia Saudita e que tem a custódia de duas mesquitas sagradas, (...) é esperado do senhor que quebre o silêncio sobre esta óbvia atrocidade e a matança de suas próprias crianças", escreveu Ahmadinejad na carta, divulgada em seu site na internet. O presidente iraniano afirmou que espera que a postura do rei saudita "frustre completamente os poderes corruptos que esperam criar divisões na frente islâmica".O presidente do Irã aparentemente se refere ao racha entre os chamados países árabes "moderados", liderados pelo Egito e pela Arábia Saudita, e os pró-Hamas, liderados pela Síria e pelo Catar, no que diz respeito a como responder aos confrontos na Faixa de Gaza. O Catar tentou duas vezes organizar uma reunião de cúpula árabe para discutir o conflito, uma ideia que sofreu oposição dos pesos pesados Egito e Arábia Saudita.A carta ao rei saudita foi divulgada enquanto Riad prepara-se para ser o anfitrião de uma cúpula de emergência do Conselho de Cooperação do Golfo sobre a situação na região, que acontece hoje. Além da Arábia Saudita, o conselho também inclui os Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Bahrein, Catar e Omã. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.