AI pede ao Bahrein que liberte ativista em greve de fome

A Anistia Internacional instou o governo do Bahrein a libertar um ativista pelos direitos humanos que faz greve de fome e lembrou à monarquia sunita do país do Golfo Pérsico que ela precisa cumprir suas promessas e libertar todos os presos políticos durante os protestos de 2011. O grupo de defesa dos direitos humanos, sediado em Londres, disse que Abdulhadi al-Khawaja precisa ser libertado imediatamente, porque o ativista "corre o risco de morrer" após mais de 50 dias em greve de fome. Al-Khawaja começou a greve de fome em 8 de fevereiro.

AE, Agência Estado

30 Março 2012 | 15h55

O ativista cumpre pena de prisão perpétua por causa da sua participação no levante popular xiita contra a monarquia sunita. Pelo menos 50 pessoas foram mortas pela polícia e pelas tropas bareinitas durante o levante. O Bahrein sedia a base da Quinta Frota dos Estados Unidos, aliado da monarquia al-Khalifa.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.