Aiatolá diz que futuro do Iraque pertence ao Islã

Na véspera de seu aguardado retorno do exílio no Irã para o Iraque, o líder do maior grupo xiita de oposição a Saddam Hussein disse que o futuro de seu país pertence ao Islã. Destacados integrantes do partido do aiatolá Mohammad Baqir al-Hakim também afirmaram que seu líder pode retornar ao Iraque como um novo Khomeini, o líder xiita que voltou ao Irã depois de 14 anos de exílio para liderar a Revolução Islâmica de 1979."Fomos convidados do Irã por 23 anos. Agora, agradecemos à nação iraniana e à sua elite dos Guardas Revolucionários por sua hospitalidade", disse al-Hakim a fiéis na Universidade de Teerã. "O futuro do Iraque pertence ao Islã. E nosso principal desafio é preservar a independência do Iraque", acrescentou.Al-Hakim anunciou a seguidores que a intenção de seu Conselho Supremo da Revolução Islâmica do Iraque é "perceber o desejo do povo iraquiano, promover a justiça, algo de que o Iraque foi privado (sob Saddam), tentar reconstruir o país e estabelecer boas relações com nossos vizinhos".A administração dos EUA se opõe a uma teocracia de estilo iraniano no controle do Iraque. Washington acusa Teerã de interferir nos assuntos internos iraquianos. O Irã nega as acusações e garante que não busca "atritos" com os EUA.Mas muitos temem que uma eleição democrática no Iraque produza um governo de orientação islâmica, com laços estreitos com os xiitas historicamente antiamericanos do Irã, que governam o país desde a revolução de Khomeini. Mas analistas iranianos vêem poucas semelhanças entre o Irã e o Iraque, e entre al-Hakim e Khomeini."Khomeini era uma figura sem rivais no Irã e um líder carismático amado por todos os iranianos, mas al-Hakim não é o único líder do Iraque. Existem muitas figuras-chave representando a população iraquiana e al-Hakim é apenas uma delas", avaliou Taha Hashemi, um destacado pregador.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.