Aiatolá diz que Irã não desistirá de capacidade nuclear

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, disse nesta terça-feira que as potências ocidentais não serão capazes de colocar seu país de joelhos nas negociações nucleares, segundo informações publicadas em seu site.

Estadão Conteúdo

25 de novembro de 2014 | 09h34

"No que diz respeito à questão nuclear, Estados Unidos e os países colonialistas europeus se uniram e aplicaram todos os seus esforços para colocar a República Islâmica de joelhos, mas eles não conseguiram e não conseguirão", disse Khamenei durante discurso para um grupo de clérigos.

As declarações foram as primeiras feitas pelo aiatolá, que tem a palavra final sobre todas as questões de Estado, desde que o Irã e o P5+1 (Estados Unidos, Reino Unido, França, China, Rússia e Alemanha) concordaram, na segunda-feira, em estender as negociações e em chegar a um acordo sobre o que tem e como tem de ser feito até 1º de março. Um acordo final deve ser concluído quatro meses mais tarde.

Até o momento, Khamenei tem apoiado as negociações nucleares. Sua referência ao futuro indica que a extensão das conversações também teve sua aprovação.

Na segunda-feira, em cadeia nacional, o presidente iraniano Hassan Rouhani disse que o país havia "conquistado uma vitória significativa" e que "as negociações levarão a um acordo, cedo ou tarde".

Rouhani também disse que muitas lacunas nas conversações "foram eliminadas". Mas ele também prometeu que o Irã não vai desistir de seu direito de ter capacidade nuclear. "Nossos direitos nucleares devem ser aceitos pelo mundo", afirmou ele. "Vamos continuar com as conversações."

O P5+1 se comprometeu com as intensivas negociações sobre o programa nuclear iraniano. Teerã nega que suas pesquisas nesta área tenham qualquer tipo de dimensão nuclear, afirmando que elas se concentram em usos pacíficos como a geração de energia e tratamentos médicos. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãnuclearKhameneinegociações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.