Aiatolá Khamenei diz que Islã proíbe armas nucleares

O aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do Irã, respondeu hoje ao relatório que vazou, ontem, da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e que reforça suspeitas sobre a produção de armas nucleares no país muçulmano. Segundo Khamenei "as acusações do Ocidente não têm fundamento", pois o Islã proíbe "o uso desse tipo de armamento".

AE-AP, Agencia Estado

19 de fevereiro de 2010 | 20h21

O anúncio foi feito no deque do primeiro destroier de fabricação iraniana capaz de lançar mísseis teleguiados. Khamenei está hierarquicamente acima do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, e tem a palavra final sobre assuntos de segurança nacional. "Não acreditamos na bomba atômica e não vamos buscá-la", afirmou.

"Washington e o regime sionista estão tentando provocar divisões para que as nações islâmicas tirem a atenção dos grandes inimigos do mundo muçulmano: Estados Unidos e Israel", afirmou Khamenei.

A negociação entre o Irã e o chamado "sexteto" - as cinco potências com assento permanente no Conselho de Segurança da ONU (Rússia, China, EUA, Reino Unido e França) e a Alemanha - entrou em um período crítico no início do mês, quando Teerã recusou a oferta para enviar urânio ao exterior em troca de combustível nuclear.

Há duas semanas, Ahmadinejad anunciou que seu país produziria, sozinho, urânio enriquecido a 20% e, dias depois, chegou a falar que o grau de processamento poderia chegar a 80%. O necessário para fabricar a bomba é 95%.

Preparado para a cúpula da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) do dia 1º, o relatório divulgado ontem teria reunido "vastas e confiáveis informações" acerca das "atividades nucleares sigilosas (do Irã) com objetivo de desenvolver uma carga nuclear para mísseis".

Hoje, França e Alemanha prometeram novas medidas para conter o avanço nuclear iraniano. "O relatório (da AIEA) confirma com precisão os temores muitos sérios da comunidade internacional", disse Bernard Valero, porta-voz da chancelaria francesa. As seguradoras alemãs Munich Re e Allianz decidiram suspender negócios no Irã após a publicação do documento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.