Aiatolá não crê em conspiração

O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, disse ontem não acreditar que os líderes dos protestos pós-eleitorais estavam a serviço de estrangeiros. Funcionários do governo iraniano vinham qualificando as manifestações como uma manobra estrangeira para derrubar o sistema clerical. Teerã acusou potências ocidentais - especialmente os EUA e a Grã-Bretanha - de fomentar os protestos, nos quais pelo menos 30 pessoas foram mortas. "Eu não acuso os líderes dos eventos que ocorreram recentemente de estarem a serviço de outros países, porque nada foi provado para mim até agora", disse Khamenei durante encontro com estudantes transmitido pela TV estatal. "Mas não há dúvidas de que esse movimento foi planejado com antecedência."Os conservadores estão pedindo a prisão dos manifestantes que protestaram contra a reeleição do atual presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.