Aids volta a crescer em níveis alarmantes, alerta ONU

O vírus da aids volta a alarmar a comunidade internacional. A Unaids (agência das Nações Unidas de combate à aids) anunciou hoje que nunca o número de pessoas no mundo contaminadas pelo vírus HIV foi tão grande como atualmente. Segundo a agência, 40 milhões de pessoas estão infectadas pela aids e, apenas em 2001, 3 milhões irão morrer devido à doença. O que mais preocupa os cientistas, porém, é que o número de casos está aumentando a cada ano em todas as regiões do mundo, mesmo com todos os esforços internacionais para conscientizar as populações. "Em 2001, 5 milhões de pessoas serão contaminadas pela aids", afirma Peter Ghys, epidemiologista da Unaids. Em 2001, o maior índice de contaminação ocorreu no Leste Europeu, com cerca de 250 mil novos casos de aids, a maioria no uso de seringas contaminadas. Na Rússia, por exemplo, enquanto foram registrados 55 mil casos em 2000, o ano de 2001 deverá apontar 75 mil novas contaminações. A situação na África está pior do que nunca. O continente possui mais da metade de todos os infectados pela aids no mundo - 28,1 milhões de pessoas - e em 2001 outras 3,4 milhões de pessoas se tornarão portadoras do vírus. "Em países como Botsuana, 30% das mulheres grávidas são soropositivo", afirma Winnie Mpanju-Shumbusho, diretora do departamento de Aids da Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo ela, as conseqüências econômicas da aids no continente africano são significativas: o PIB da região deverá cair em 20% até 2020 se os níveis da doença forem mantidos como os atuais. RicosMas a Unaids alerta que o aumento do número de casos de aids no mundo não ocorre apenas nos países pobres. De fato, um dos dados que mais preocupa os cientistas é que nos países desenvolvidos, tanto os europeus como os Estados Unidos, o número de pessoas contaminadas pelo vírus HIV volta a crescer. Um dos motivos para a retomada da aids é a diminuição do número de campanhas de combate à doença. "A geração de jovens da segunda metade dos anos 90 cresceu com a idéia de que estavam isentos do problema, o que incentivou comportamentos sexuais de alto risco", afirma Ghys. BrasilNo Brasil, os número de pessoas contaminadas deverá chegar a 600 mil no final de 2001, praticamente 40% de toda a população latino-americana afetada pelo vírus. Segundo a Unaids, cerca de 60 mil pessoas foram contaminadas no Brasil entre 1999 e 2001. Mesmo com o aumento dos casos do País, tanto a Unaids como a OMS apontam avanços no Brasil. Dados das agências internacionais ressaltam que o número de contaminações pelo uso de drogas injetáveis caiu significativamente nas metrópoles brasileiras. Outro ponto destacado pelos cientistas é o programa brasileiro de combate à doença. "Apoiamos plenamente o que o Brasil vem implementando, pois os resultados são positivos tanto no que se refere ao tratamento, como na prevenção", afirma Ghys, da Unaids. Para Winnie Mpanju-Shumbusho, o modelo brasileiro deveria ser levado para outros países em desenvolvimento. O grande obstáculo, porém, são os custos para o acesso aos tratamentos. "Os remédios ainda chegam aos governos a um custo muito elevado", diz Winnie Mpanju-Shumbusho, que alerta que os países em desenvolvimento precisariam entre US$ 7 bilhões e US$ 9 bilhões para tratar suas populações de forma adequada. "Isso representa apenas 10 dias de subsídios que os países ricos dão para seus agricultores", completa um funcionário da OMS.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.