AIEA acha contaminação nuclear rara na Coréia do Norte

Monitores da ONU disseram na quarta-feirater encontrado uma contaminação radiativa acima do normal nocomplexo nuclear norte-coreano de Yongbyon, levando a um atrasona verificação da desativação do local, mas que o problema jáfoi superado. Os monitores falaram ao voltar a Viena, sede da AgênciaInternacional de Energia Atômica (AIEA, um órgão da ONU),depois de serem substituídos no fim de semana pela equipe queprosseguirá na tarefa de observar Yongbyon, enquanto cincopotências negociam o desarmamento nuclear definitivo da Coréiado Norte. O primeiro grupo de monitores disse na terça-feira emPequim que a Coréia do Norte deu plena cooperação à sua missão,permitindo a verificação do fechamento de Yongbyon, onde éproduzido combustível de plutônio apto para o uso em armas. "Bem no começo, quando começamos a trabalhar [em 14 dejulho], a contaminação estava um pouco mais alta do que oesperado, um pouco mais que o normal", disse Adel Tolba,diretor do primeiro grupo de monitores, na quarta-feira noaeroporto de Viena. "[Então] houve um adiamento. Tomou-nos um pouco de tempoaté que limpássemos tudo, mas agora está tudo consertado",afirmou ele a jornalistas. Segundo Tolba, a instalação de câmeras e de outrosequipamentos de vigilância em Yongbyon já está de volta aosprazos. Ele não explicou a razão para a contaminação nuclear acimado previsto. O reator de 5 megawatts e a respectiva fábrica dereprocessamento de combustível usado se baseiam num antiquadoprojeto soviético. "Trata-se apenas de uma questão de radiação e segurança,não de não-proliferação [de armas nucleares]," disse umimportante diplomata em Viena ligado às operações da AIEA naCoréia do Norte. Tolba não quis comentar o estado das instalações nuclearesnorte-coreana. Questões mais importantes, como esta, devemficar para o relatório sobre a Coréia do Norte a ser entregueaté setembro pelo diretor da AIEA, Mohammed El Baradei. Um acordo deste ano envolvendo Coréia do Norte, EstadosUnidos, China, Rússia, Japão e Coréia do Sul estipulou ofechamento de Yongbyon em troca de ajuda energética ao Estadostalinista. (Reportagem adicional de John Ruwitch em Manila)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.