AIEA contradiz EUA sobre explosivos sumidos no Iraque

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) contribui para a polêmica sobre o desaparecimento dos explosivos no Iraque e contradiz a versão dada por oficiais do governo de George W. Bush. Segundo a agência da ONU, a Casa Branca já havia sido alertada sobre o material explosivo em abril de 2003. Declarações feitas nos últimos dias por representantes de Washington apontavam que os explosivos poderiam já ter sido removidos antes ou durante a invasão americana ao Iraque. Segundo Melissa Fleming, porta-voz da AIEA, os explosivos estavam na base militar de Al-Qaaqa, ao sul de Bagdá, e que após a invasão americana acabou sendo colocada sob o monitoramento de Washington. No total, cerca de 350 toneladas de explosivos que poderiam ser usados para detonar uma bomba atômica desapareceram do local. Para a AIEA, Al-Qaaqa era a principal base de explosivos no Iraque.

Agencia Estado,

28 Outubro 2004 | 17h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.