Raheb Homavandi/Reuters
Raheb Homavandi/Reuters

AIEA exige inspecionar no Irã todas usinas com 'dimensões militares'

Inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica viajarão ao país no final deste mês

19 de janeiro de 2012 | 07h51

BERLIM - O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano, exigiu que os inspetores de seu escritório que viajarão ao Irã no fim deste mês tenham acesso livre a todas as usinas nucleares, inclusive às que possam ter fins militares.

 

Veja também:

linkVeja as sanções já aplicadas contra o Irã

link ESPECIAL: Relembre outros ataques contra o Irã

link ESPECIAL: O programa nuclear do Irã

"Queremos verificar tudo o que possa ter uma dimensão militar", afirma Amano em declarações publicadas nesta quinta-feira no diário "Financial Times Deutschland", nas quais ressalta que o êxito da missão depende unicamente da disposição das autoridades iranianas em cooperar.

Amana assinala ainda não ter "motivo algum para arrepender-se" do relatório que a AIEA publicou em novembro com duras críticas e acusações contra o Irã por seu controverso programa nuclear, no qual assegura que o país asiático trabalhou, pelo menos até 2010, no desenvolvimento de armas atômicas.

"Meu trabalho é alertar o mundo, e foi isso que fiz", disse Amano, que rejeita também as acusações de arbitrariedade feitas pelo Irã contra ele, e destaca que sua instituição "não ouve uma só fonte, mas dedica-se milhares de horas a comparar e verificar informações.

Embora reconheça que não há uma imagem global do programa nuclear iraniano, assegura que "o que sabemos indica que provavelmente se trabalha no desenvolvimento de armas atômicas".

Por fim, o diretor-geral da AIEA rejeita que sua instituição tenha algum tipo de participação no atentado que matou o cientista nuclear iraniano Mostafa Ahmadi Roshan.

"Não acredito na violência. Acredito no diálogo e na cooperação. Só espero que o Irã coopere", assinala Yukiya Amano.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Irã nuclearusinaAIEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.