AIEA solicita ao Japão mais informações sobre crise nuclear

Diretor Yukiya Amano, que é japonês, quer obter informações a respeito dos esforços dos técnicos para controlar as radiações na central de Fukushima

Efe,

18 de março de 2011 | 03h40

TÓQUIO - O diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano, solicitou ao governo do Japão nesta sexta-feira, 18, mais informações sobre a crise na usina nuclear de Fukushisma e disse que analistas da agência vigiarão as radiações na central.

Amano reivindicou ao Japão colaboração com a comunidade internacional durante um encontro com o primeiro-ministro da nação asiática, Naoto Kan, que por sua vez se comprometeu a divulgar mais detalhes sobre a crise nuclear, segundo informou a agência local Kyodo.

Kan também indicou a Amano, de nacionalidade japonesa, que seu país fará todos os esforços possíveis para superar a situação atual, diante do alarme criado em todo o mundo pelo risco de uma catástrofe nuclear em Fukushima.

 

Veja também:

blog Twitter: Siga a correspondente Cláudia Trevisan, que está no Japão

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

mais imagens Galeria de fotos: Tremor e tsunami causam destruição

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995 

 

O chefe da AIEA chegou nesta sexta a Tóquio para acompanhar de perto a crise e obter informações em primeira mão a respeito dos esforços dos técnicos para controlar as radiações na central de Fukushima, muito danificada após o terremoto do dia 11.

Amano não deverá visitar Fukushima, mas indicou que analistas do organismo se encarregarão de vigiar a radiação emitida pela usina, que segundo técnicos japoneses registrou queda nas últimas horas.

Amano se reuniu em Tóquio nesta sexta-feira com o primeiro-ministro e com o titular da pasta de Relações Exteriores, Takeaki Matsumoto, que admitiu ser preciso explicar a atual situação internamente e no exterior "com transparência".

Neste encontro, Yukiya Amano reivindicou ao Japão se aproximar mais do organismo da ONU, e assegurou que a comunidade internacional está disposta a ajudar Tóquio neste momento difícil.

Na quinta-feira, a AIEA indicara desde Viena que a situação nos reatores danificados de Fukushima era "muito séria", mas que não havia piorado desde quarta.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.