'Ainda teremos Chávez por muito tempo', diz vice venezuelano

Elias Jaua nega rumores sobre saúde de Chávez, critica 'direita enlouquecida' e diz que presidente se recupera bem

Claudia Jardim, BBC

26 de junho de 2011 | 07h15

Autoridades do governo da Venezuela desmentiram a onda de rumores relacionadas com uma suposta piora no estado de saúde do presidente venezuelano Hugo Chávez - internado em Cuba há duas semanas - ao reiterar que o mandatário "se recupera bem".

"A direita nacional e internacional anda enlouquecida (...), inclusive falando da morte do presidente. Andam como (no golpe) em 11 de abril de 2002", afirmou no sábado o vice-presidente da Venezuela, Elias Jaua, rebatendo rumores de que a saúde do presidente teria piorado.

Jaua reiterou que Chávez continua no comando da Presidência e se mantém informado sobre tudo o que acontece no país. "Recordemos que para todo 11 tem um 13 de abril (quando Chávez retomou o poder). Ainda temos Chávez por muito tempo."

O vice-presidente Jaua está à frente do governo desde que Chávez teve de ser submetido a uma cirurgia de emergência, em Cuba, devido a um abscesso na região pélvica.

O hermetismo com que o estado de saúde do presidente tem sido tratado pelo governo tem gerado de críticas na Venezuela. A situação abriu espaço para a intensificação de rumores sobre complicações em seu estado de saúde.

No sábado, o jornal "El Nuevo Herald", de Miami, publicou uma reportagem afirmando que o estado de saúde de Chávez "é considerado crítico" e insinuou que o presidente venezuelano estaria com câncer de próstata.

"O único que sofreu metástase foi o câncer do @MiamiHerald no resto da imprensa de direita", rebateu o vice-chanceler venezuelano Temir Porras, em seu perfil no Twitter.

"O presidente Chávez se recupera bem da cirurgia. Que os inimigos deixem de sonhar e que os amigos deixem o nervosismo", escreveu Porras.

Preocupações

No entanto, declarações do chanceler da Venezuela, Nicolás Maduro, na noite do sábado, mostraram um primeiro grau de preocupação sobre a saúde do presidente. Maduro disse que Chávez está travando uma "grande batalha" por sua saúde.

"A batalha que o presidente Chávez está enfrentando por sua saúde deve ser uma batalha de todos, uma batalha pela vida, pelo futuro imediato de nossa pátria", disse Maduro.

"O que nos resta é ficar ao lado do presidente ", afirmou o chanceler, que acompanhava Chávez na visita à Havana quando o mandatário teve de ser operado às pressas.

Depois de 12 dias de silêncio, Chávez voltou a utilizar o seu perfil no Twitter. Na sexta-feira, ele enviou mensagens aos venezuelanos.

No sábado, o presidente venezuelano comentou no microblog que sua filha mais nova e três netos foram visitá-lo em Cuba. "Chegaram Rosinés e meus netos Gaby, Manuelito e El Gallito para me visitar. Ah, que felicidade receber este banho de amor!", escreveu.

Desde a cirurgia, Chávez não voltou a aparecer em público. Com exceção do Twitter, a última comunicação do presidente com a população ocorreu via telefônica, dias após a cirurgia, durante uma breve intervenção em um programa do canal de TV estatal.

A imprensa local ventila que um andar do hospital militar em Caracas estaria sendo reformado para atender o presidente, mas ainda não há informação concreta sobre quando Chávez poderia regressar ao país. Na semana passada, seu irmão Adán Chávez disse que ele poderia estar de volta entre 10 e 12 dias.

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.