Air France e KLM juntam-se numa das maiores empresas aéreas do mundo

O conselho da Air France aprovou, hoje, o plano de aquisição da concorrente holandesa KLM, anunciou um dos seus membros. A união criará uma das maiores parcerias da aviação. A coalizão será significativamente mais profunda que as parcerias comerciais tradicionais, com o propósito de unir a segunda e a quarta maiores empresas européias sob o mesmo guarda-chuva. Mas ela não chegará a uma fusão total, devido às complicadas regulamentações de viagens e à pressão de autoridades holandesas, ansiosas em salvaguardar o futuro do aeroporto Schipol, de Amsterdã, um ativo chave para a economia holandesa. Yvon Touil, representante sindical no conselho da Air France, diz que votou contra a proposta de união. Ele acha que a transportadora francesa está fazendo concessões demais para a compra da endividada KLM, uma perdedora de dinheiro. O preço ?é exorbitante. Ela está superavalorizada. É cara demais?, afirma Touil, da CGT, ligada ao Partido Comunista. ?Todo mundo no conselho ? mesmo os que votaram a favor ? ressaltaram que o risco financeiro é enorme.? Ele não quis dar detalhes do plano, mas conta que o conselho aprovou uma carta de intenções que será enviado ao conselho da KLM, que reúne-se separadamente esta noite. A Air France divulgará mais detalhes amanhã, acrescenta Touil, depois da reunião de três horas do board. O negócio, o primeiro entre as principais empresas européias, surge quando muitas linhas aéreas lutam para sobreviver ao declínio nas viagens, que se seguiu ao 11 de setembro. Além disso, elas estão sendo ameaçadas por concorrentes mais despojadas, como a Ryanair e easyJet. A Air France e a KLM esperam que a fusão represente uma economia de ?400 milhões a ?500 milhões (R$1,36 bilhão a R$ 1,7 bilhão) por ano, basicamente em administração e compras, diz Touil. Segundo ele, decisões principais a respeito das frotas, redes e associações da Air France e KLM serão tomadas por uma comissão administrativa de oito pessoas, quatro da empresa francesa e quatro da holandesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.