Ajuda do Brasil segue para Gaza nesta segunda

Avião da FAB com 14 toneladas de suprimentos já foi descarregado na Jordânia; carga chega a Gaza de caminhão

Tariq Saleh, BBC

11 de janeiro de 2009 | 14h03

Cerca de 14 toneladas de alimentos e remédios enviadas pelo Brasil devem ser transportadas de caminhão nesta segunda-feira para Faixa de Gaza, segundo informações da embaixada brasileira em Amã, na Jordânia.   Veja também: Troca de tiros e ataques na Faixa de Gaza mata pelo menos 26 Ofensiva deve continuar até atingir objetivo, diz Olmert Israel e Hamas prometem seguir com a luta na Faixa de Gaza Embaixador brasileiro no Egito fala da negociação entre Hamas e Egito  Correspondente do 'Estado' fala sobre o conflito  Especial traz mapa com principais alvos em Gaza  Linha do tempo multimídia dos ataques em Gaza  Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel  Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos  Veja imagens de Gaza após os ataques    O avião Hércules C-130 da Força Aérea Brasileira (FAB) pousou na manhã deste domingo com os suprimentos em Amã. "Toda a carga já foi descarregada na área militar do aeroporto de Marka e agora aguardaremos a autorização para o transporte", disse o ministro-conselheiro da embaixada brasileira em Amã, Vitor Hugo, à BBC Brasil. Segundo Hugo, o ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, que chega nesta segunda-feira à capital jordaniana, vai realizar a entrega oficial às autoridades locais para que a carga siga para a Faixa de Gaza no mesmo dia. De acordo com nota oficial do Ministério de Relações Exteriores, o Brasil enviou os suprimentos atendendo a um pedido feito pela delegação diplomática da Autoridade Nacional Palestina em Brasília. A caixas com suprimentos foram carregadasd em caminhões com cartazes em árabe e inglês identificando a carga como doação do governo brasileiro e vão ser levadas a Gaza com o apoio da Organização Jordaniana Hachemita de Caridade. Missão humanitária A ajuda é composta por seis toneladas de medicamentos, como antibióticos, anti-hipertensivos, anestésicos, antidiabéticos e analgésicos, sais de re-hidratação, seringas, ataduras e material de primeiros-socorros. Há, também, oito toneladas de alimentos de alto valor calórico e protéico, em 350 caixas de produtos prontos para consumo, que incluem sardinha em lata, fiambre bovino em lata, leite em pó, biscoitos, macarrão instantâneo, farinha de milho em flocos e açúcar cristal. Segundo o tenente-aviador da Força Aérea Brasileira, Luís Cláudio, o vôo durou cerca de 26 horas, com escalas em Cabo Verde, Espanha e Itália. O avião pousou na área militar do aeroporto de Marka, em Amã, às 13h20 (horário de Brasília) deste domingo. "Foi uma longa viagem, mas é uma missão humanitária e necessária para beneficiar pessoas em uma situação difícil", declarou o militar brasileiro à BBC Brasil. Pausa nos ataques As doações deverão ser entregues durante a pausa diária de três horas nos ataques, promovida por Israel para que alimentos e remédios sejam entregues pelas agências humanitárias à população civil em Gaza. A ONU a outras agências de ajuda aos palestinos declararam que a situação humanitária no território estava cada vez mais grave.   O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse neste domingo acreditar no diálogo como forma de solucionar o conflito na Faixa da Gaza. Depois de se reunir com o presidente da Síria, Bachar Al-Assad, em Damasco, o ministro brasileiro voltou a defender a proposta do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que seja realizada uma conferência de emergência sobre os ataques em Gaza.   De acordo com informações da Agência Brasil, Amorim ressaltou a importância da Síria nas negociações para o fim do conflito e disse que a conferência de emergência contaria com a participação de vários países. "Nós acreditamos que isso precisa ser feito (a conferência). Mas, para isso, é preciso que a paz seja retomada imediatamente", disse Amorim, neste início de visita ao Oriente Médio com o objetivo de apoiar o fim do conflito entre israelenses e o grupo Hamas, na Faixa de Gaza.   O próximo destino do ministro é Jerusalém, onde vai se reunir, ainda neste domingo, com a chanceler de Israel, Tzipi Livni. Amanhã (12), Amorim embarca para a Cisjordânia, para encontro com o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, com o primeiro-ministro, Salam Fayaad, e com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Riad Malki, em Ramallah.   (com Alexandre Inacio, da Agência Estado)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.